Está na hora de falar sobre a Pornografia da Dor Preta

Muitas vezes publicar sobre o sofrimento alheio não é uma forma de protesto.

BuzzShe

Durante essa terça-feira uma jovem grávida de 14 semanas foi baleada e assassinada após uma operação policial na Zona Norte do Rio de Janeiro. Kathlen Romeu era design de interiores, modelo, atuava como influencer, tinha apenas 24 anos e foi atingida por um tiro na Vila Cabuçu, localizada no bairro Lins de Vasconcelos. 

A morte dessa jovem causou diversas manifestações em comunidades cariocas e sobretudo nas redes sociais, diversas celebridades repercutiram o caso compartilhando imagens da Kathlen e expressando sua indignação. Rapidamente o perfil dela alcançou mais de 20 mil seguidores após o ocorrido, se tornando no Twitter um dos assuntos mais comentados do Brasil e nos fazendo refletizer sobre o que ativistas do Movimento Black Lives Matter consideram ser uma “Pornografia da Dor Preta”. 

Segundo a escritora e pesquisadora Gabriela Moura, a pornografia da dor é esse hábito masoquista de compartilhar a desgraça de pessoas pretas com uma suposta justificativa de protesto. Se tornou comum encontrarmos nas redes imagens, vídeos e registros de violência ou racismo aos quais buscam denunciar o ocorrido, mas não promovem ações efetivas de mudança daquele contexto. 

Publicidade

Com certeza, mesmo sem querer você já viu no Instagram, Twitter ou até mesmo no Whatsapp, conteúdos de acidentes ou crimes em que pessoas mortas são expostas nas redes; como por exemplo os vídeos da 2ª maior chacina do RJ, no Jacarezinho.

Por mais que ambos casos sejam distintos, isso vem se popularizando e sendo naturalizado no ambiente virtual, porém poucas pessoas sabem que a divulgação desses materiais é uma atitude irresponsável e criminosa, prevista no artigo 212 do Código Penal Brasileiro. Sendo assim, quem produz imagens, vídeos ou ajuda a divulgar esses conteúdos pode responder por vilipêndio a cadáver, que nada mais é do que expor e desrespeitar uma vítima. 

No entanto, reconheço que para muitos compartilhar as fotos da Kathlen Romeu certamente é uma tentativa de manifestar sua indiganação ao estado e a violência policial, mas precisamos compreender também como isso envolve o processo de luto dos familiares da vítima e desecadeia também uma série de tortura psicológica a determinadas pessoas. Quem é preto, favelado ou pobre já vive a violência policial diariamente e está cansado de ver MANIFESTAÇÕES VIRTUAIS de empatia que não impedem de sermos assassinados diariamente.

Lidar com a morte dessa jovem preta é capaz de gerar inúmeros gatilhos, traumas e recordações de distintos episódios de truculência policial que já vivenciamos, por isso antes de compartilhar imagens reflita e crie consciência de classe. Buscando assim encontrar outras formas e meios além dos virtuais de denunciar a necropolítica que vivemos no Brasil. 

É fato que vivemos uma pandemia global que nos impede de ir às ruas manifestar pela vida de pessoas negras, no entanto, é fato também que mesmo em casa, famílias periféricas não estão seguras. Afinal, as balas perdidas na maioria das vezes tem um único alvo e a cada 23 minutos um jovem negro é assasinado neste país. 


Publicidade

Veja também