Taylor Swift está se defendendo e nós devemos apoiá-la.

#IStandWithTaylor

Na quinta-feira, Taylor Swift emitiu uma nota para seus fãs nas redes sociais (leia tradução abaixo) explicando que Scooter Braun e Scott Borchetta estão mantendo sua obra musical como refém até ela atender a certas exigências.

Você pode ler a tradução da íntegra do comunicado de Taylor no site TSBR.

Taylor foi informada por sua antiga dupla de produtores/empresários que não tem permissão para tocar suas músicas no American Music Awards, onde será homenageada, e nem em um futuro documentário da Netflix que narra sua vida.

Publicidade

Agora vou explicar por que todos nós devemos apoiar Taylor:

Publicidade

2. Taylor Swift, desde o início dos serviços de streaming de música, defendeu os direitos e remunerações dos artistas. Ela enfrentou as principais plataformas de streaming, como Apple e Spotify, e agora está enfrentando homens poderosos que estão tentando controlá-la.

3. Taylor sempre usou sua plataforma, sua base de fãs, seus shows e seu alcance para promover novos artistas e músicos.

Aqui está ela elogiando uma porção de colegas.

Publicidade

4. Quer fosse levando-os ao palco, adicionando suas músicas a uma playlist, fazendo cover de suas músicas, ou mencionando-os em uma entrevista, Taylor Swift ajudou muito as carreiras de outros artistas.

5. Ela também começou a usar sua plataforma para falar sobre problemas e criar mudanças. Este ano, ela criou a petição da Lei da Igualdade, que defendia os direitos LGBTQ.

Seu vídeo "You Need To Calm Down" promoveu a petição da Lei da Igualdade de Taylor, que defende a igualdade e denuncia todas as coisas anti-LGBTI+. A petição — que condena a atual administração dos EUA — obteve centenas de milhares de assinaturas.

Publicidade

6. Não há como negar o bem que Taylor fez para o mundo. Ela doou para organizações que apoiam a comunidade LGBTI+:

"Taylor Swift doou U$113,000 para uma organização a favor de direitos LGBTI+ no Tennessee."

7. E ela ajudou a pagar contas médicas, faculdades de fãs e muito mais.

"Taylor Nation, LLC, enviou a você $6,386 Dólares Canadenses."

"Ayesha, invista em seus estudos, garota! Te amo! Taylor."

Publicidade

8. Essa situação com Scooter/Scott nunca foi uma questão de Taylor ganhar mais dinheiro. Trata-se do comportamento abusivo e controlador dos homens na indústria da música. Taylor merece ter controle total de sua obra e acesso à música que escreveu em seus momentos mais sombrios e vulneráveis.

Publicidade

10. Agora, vamos entrar no aspecto da sensatez. Como eu disse, Taylor escreveu essas músicas. Ela escreveu sobre sofrimento, amor, família, amigos, solidão e muito mais. Ela escreveu em quartos quando era criança, em ônibus durante turnês e em sua cama de hotel no meio da noite. Essas músicas pertencem a ela e não podem ser roubadas.

11. Todo mundo deveria apoiar Taylor, porque o público nem sempre esteve ao seu lado. Quando ela foi a garota-propaganda do slut-shaming e o bode expiatório de todos os problemas da indústria da música, quase ninguém a defendeu.

NBC

Publicidade

12. Quando Kanye West a gravou ilegalmente, retratou seu corpo nu em um videoclipe sem o seu consentimento e depois levou o crédito por sua fama, quase ninguém a defendeu.

13. Quando Taylor estava na casa dos 20 anos e namorou algumas pessoas, as pessoas desqualificaram sua arte, a rotularam com coisas sexistas e depreciativas, e ela quase não teve nenhum apoio (além de seus fãs).

ABC

"Quando um homem escreve sobre suas experiências, ele é corajoso. Quando uma mulher escreve sobre suas experiências ela está exagerando, é emocional demais ou deve ser louca."

Publicidade

Eu apoio a Taylor, e você?

Este post foi traduzido do inglês.

Publicidade

Veja também

17 estrelas Pop quando lançaram seu primeiro álbum, comparadas com agora

Escrito por Jon-Michael Poff • há 2 anos

Aqui está todo mundo que aparece no clipe da Taylor Swift, incluindo a Katy Perry

Escrito por Ellie Woodward • há 3 anos

10 famosos que pagaram um mico horroroso nos perfis do MySpace

Escrito por Matt Stopera • há 3 anos

Veja também