Ser fiscal de comorbidade é muito deselegante

Questione o seu presidente. Não a pessoa que está sendo vacinada.

Desde que o Plano Nacional de Imunização (PNI) passou a contemplar pessoas com mais de 18 anos e comorbidades, surgiu também um novo perfil de ser humano até então desconhecido para nós: o fiscal de comorbidade.

Mulher sendo vacinada
Mulher sendo vacinada

Anadolu Agency/Colaborador/Getty Images

Publicidade

Publicidade

Não dá tempo de desenhar, então vamos descrever, mais ou menos, como as coisas funcionam.

Você mora num país e acaba sendo atingido por uma pandemia mundial. Quem precisa te proteger é o governo, certo? Ele precisa comprar vacinas e garantir o direito constitucional que todos os cidadãos tem à vida e à saúde. Se, hoje, no Brasil, estamos racionando as vacinas e classificando as pessoas que têm mais urgência em receber o imunizante é porque não temos vacinas o suficiente. E se não temos vacinas o suficiente é porque Jair Bolsonaro (sem partido) RECUSOU ofertas de vacina.

Publicidade

Veja também