Infectologista responde 10 perguntas básicas sobre as vacinas contra Covid-19

Sabe aquela dúvida que você tem? Então.

Todo mundo tem alguma dúvida sobre como funcionam as vacinas contra a Covid-19 que estão sendo aplicadas no Brasil. Por isso, entrevistamos a médica infectologista Nancy Bellei, que é professora na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e pesquisadora na área de vírus respiratórios.

1. Tomar a vacina significa que eu nunca vou pegar coronavírus?

Não. Você pode pegar coronavírus mesmo tendo sido vacinado, só que você pode não ter sintoma nenhum. Depois, o vírus vai embora.

Publicidade

2. A vacina tem algum efeito colateral?

Assim como em todas as vacinas, você pode ter efeito colateral: dor no local da aplicação, mal estar, dores musculares, febrícula [o que conhecemos como "estado febril"]. Em geral, esses sintomas melhoram depois de 24 horas. Mas a grande maioria não tem efeito colateral. Isso acontece com cerca de 10% das pessoas que tomam vacina.

3. O que significa eficácia de 50%?

Significa que você tem um risco reduzido em 50% de adquirir a infecção.

Publicidade

Nurphoto / Getty Images

4. Eu devo tomar a vacina mesmo se já tive coronavírus?

Sim. Como não sabemos quanto tempo dura a imunidade para o coronavírus, que é a produção de anticorpos por muito tempo, a recomendação internacional é de que todo mundo tome a vacina.

Publicidade

5. Eu posso transmitir o vírus mesmo estando imunizado?

Pode, porque se você tiver uma infecção assintomática [sem sintomas] com uma carga viral alta, você pode transmitir o vírus.

6. Vamos poder fazer festas e aglomerações ainda em 2021?

Neste ano, não. Porque até vacinarmos a porcentagem prevista da população brasileira, termos diminuição da transmissão na sociedade e até termos uma avaliação dos hospitais e das clínicas de que diminuiu o número de casos, vai demorar muito. E não há uma previsão de que isso possa acontecer neste ano.

Publicidade

7. Quanto tempo após tomar as duas doses eu posso me considerar imunizado?

Em geral, 15 dias depois da segunda dose você pode considerar que tem anticorpos produzidos.

Buda Mendes / Getty Images

Publicidade

8. Preciso continuar me protegendo com máscara e álcool em gel mesmo depois de tomar a primeira dose?

Sim. Depois da primeira e da segunda dose. Tem várias questões. Primeiro porque não sabemos a resposta individual de cada um. Tem pessoas que respondem muito bem à vacina e pessoas que não respondem. Em segundo lugar, a eficácia é variável. Nos estudos, foi em torno de 50%. Mas temos pacientes que têm uma grande exposição ao vírus e, eventualmente, essa eficácia pode não ser o suficiente. Terceiro porque existem algumas cepas com mutações, e já se viu que a eficácia das vacinas atualmente distribuídas pode ser um pouco menor, com menor produção de anticorpos. Então, seria importante que as pessoas, mesmo vacinadas, continuassem usando máscara, álcool em gel e mantendo todos os cuidados de higiene sugeridos.

9. Quem não pode tomar a vacina?

Quando uma vacina é aprovada em uso emergencial você pode usá-la com segurança nos pacientes em que você fez o estudo. Nesse momento, não temos avaliação de como as vacinas funcionariam em algumas pessoas, como, por exemplo, grávidas, crianças, pacientes oncológicos e pacientes transplantados de medula na fase aguda.

Muito provavelmente não terá problema em vacinar as grávidas. O ideal seria que as gestantes discutissem com os seus médicos se vale a pena elas tomarem ou não. Pacientes oncológicos, que estejam fazendo quimioterapia ou radioterapia porque estão com tumor ou algo assim, podem tomar a vacina, só que existe um momento ideal. Eles devem conversar com seus médicos para saber qual é o melhor momento.

Pacientes com sintomas de febre devem esperar a febre passar. De preferência, aguardar 48 horas para aplicar a vacina.

Publicidade

10. O que estamos esperando para produzir mais vacinas aqui no Brasil?

Nesse momento, vamos ter uma transferência de tecnologia. Então, as companhias Astrazeneca e Sinovac vão ensinar o Butantan e a Fiocruz como fazer a vacina desde o começo, que é pegar o vírus, purificar, passar em cultura, etc. Esse contrato de transferência de tecnologia envolve você ensinar, ajudar, avaliar. Nós vamos começar a aprender a fazer essas vacinas e isso ainda vai levar um tempo.