Está na hora de falarmos sobre o que é beleza natural DE VERDADE

E de reconhecermos os lugares de fala das meninas que postam sobre isso.

Há 3 anos

BuzzShe

Essa semana a youtuber Dora Figueiredo postou uma sequência de stories no Instagram desenhando uma discussão que tem tomado conta das redes sociais: as blogueiras que endossam "beleza real" e celebram a diversidade sendo que de real (ou de diverso) elas têm pouco.

"Sobrancelha feita

Extensão de cílios

Corretivo na olheira

Pele boa porque uso produtos bons e caros na pele

Silicone

Muito fácil ser natural quando você é privilegiada e cheia dos PROCEDIMENTO".

Dora seguiu mostrando como os truques de pose funcionam para os dois lados...

Reprodução

Publicidade

Se aproximar ou se afastar do padrão.

,

Ela não citou nenhuma blogueira, youtuber ou influenciadora nominalmente. Mas muitos casos recentes se encaixam no que ela está falando, como o da Kéfera, que postou essa foto dizendo que tinha comido muito e não conseguia fechar o botão do shorts.

Reprodução

Ela depois alterou a legenda da foto.

Publicidade

E esta foto, que a Kéfera postou com a legenda "Gotta love your curves" ("Você precisa amar suas curvas"), uma frase que remete aos corpos curvilíneos e a movimentos de auto-afirmação das mulheres que não são magras.

A Kéfera recebeu críticas de alguns dos próprios seguidores.

Reprodução

Publicidade

E de meninas que explicaram porque esse tipo de conteúdo pode ser tóxico.

Reprodução

A Luísa Sonza, ela mesma vítima de uma onda de comentários ofensivos sobre corpo ao postar uma foto de biquíni, também tem recebido críticas por endossar o discurso de beleza natural, como nessa foto do começo de abril...

Reprodução / Via instagram.com

Publicidade

Ao mesmo tempo em que faz publipost de produtos contra estrias e outros fins estéticos, como nessa foto do fim de março.

Reprodução / Via instagram.com

Em dezembro teve o caso da Bianca Andrade, a Boca Rosa, que vende um estilo de vida saudável e muita força de vontade como motivos da sua mudança corporal – mas que, sem saber que estava no ar, confessou ter feito uma lipo.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Algumas youtubers têm respondido estas críticas, como a Karyna Rangel, que disse que como agora está na moda ser natural, se alguém quer ser loira platinada, ter silicone ou um corpo malhado, não vai ser aceita socialmente.

Para Karyna, a sororidade não parece existir nessas horas. Porque se "uma menina sonha em ter olho azul, botar uma lente e tirar uma foto, ela já vai ser alvo de críticas", disse.

Publicidade

Mas quando a gente lembra que, no carnaval deste ano, a Bruna Marquezine foi bem criticada nos comentários desta foto dela no Instagram por ter "peitos caídos", precisamos admitir que o "natural" não está na moda, não.

Reprodução / Via instagram.com

Na verdade, o que essa história mostra é que as pessoas talvez nem conheçam o que é "natural" – justamente por só verem um padrão de beleza por aí.

Publicidade

Publicidade

É só uma questão de respeitarmos, dentro da variedade imensa de mulheres, os lugares de fala, e de reconhecermos os próprios privilégios – o que não tira o direito de nenhuma de nós de nos sentirmos inseguras ou inadequadas.

Publicidade

Não tem nada de errado em seguir as blogueiras chamadas de "padrão". Mas tem várias blogueiras que falam com mais propriedade sobre como se amar sendo fora do padrão – como a Luiza Junqueira, que criou a "tour pelo meu corpo".

A tour eram vídeos em que as blogueiras falavam de como aprenderam a gostar de partes de seu corpo que eram fora do padrão.

A Luci Golçalves, que se define como "mulher, preta, favelada, LGBT".

Publicidade

A Alexandra Gurgel, do Alexandrismos, que é ativista de positividade corporal.

E a Gabi Oliveira, youtuber do De Pretas, que gravou um vídeo maravilhoso falando sobre como foi seu processo de aceitação do próprio rosto negro.

No vídeo, a Gabi inclusive admite que não poderia fazer a "tour pelo meu corpo" porque, nesse aspecto, é uma mulher no padrão: magra. Então ela adaptou para o rosto – basicamente um reconhecimento dos vários lugares de fala distintos que ela pode (ou não) ocupar.

Publicidade

Veja também:

19 coisas incríveis que as mulheres aprenderam com o feminismo

23 formas de uma mulher empoderar a outra indicadas por ONGs e coletivos feministas

Veja também