Caso Evandro: esse grupo do Face discute o crime com os envolvidos

Mais de 9 mil membros debatem sobre o assassinato. Entre eles, as Abagge e outros acusados.

Print do cabeçalho do Grupo "Discutindo o Caso Evandro - Projeto Humanos" Abaixo, uma inscrição dizendo que há 9,3 mil membros
Print do cabeçalho do Grupo "Discutindo o Caso Evandro - Projeto Humanos" Abaixo, uma inscrição dizendo que há 9,3 mil membros

Reprodução

Na primeira vez tomei um susto. Nem lembrava mais que o aplicativo do Facebook seguia no meu celular, quando veio a notificação: “Beatriz Abagge comentou numa publicação que você está seguindo”. Pera... Que?

O nome não era estranho pra mim, e nem outros milhões que acompanharam O Caso Evandro. Para quem não está familiarizado, trata-se de um crime que inquietou o país em 1992. Nele, Evandro Caetano, de 6 anos, foi morto de maneira brutal na pequena Guaratuba, PR.

Abagge é central nessa história. Ela foi uma das principais acusadas do crime. 

Eu e Beatriz estávamos no mesmo grupo de Facebook. Não por acaso. Com o autoexplicativo nome “Discutindo o Caso Evandro - Projeto Humanos”, a comunidade reúne mais de 9 mil pessoas que debatem sobre o desaparecimento do menino paranaense. Mais do que um fandom genérico, o espaço se tornou uma plataforma para que os acusados pudessem tomar a narrativa para si. E, finalmente, defenderem sua inocência. 


Um print que mostra Beatriz Abagge publicando no grupo
Um print que mostra Beatriz Abagge publicando no grupo

Reprodução

“O Podcast ainda estava bem no início, quando vi, nos comentários de uma matéria sobre o caso, um comentário pedindo a criação de um grupo sobre o tema. Era a Mariana Costa, que eu não conhecia, mas criou o grupo junto comigo”, conta Bruno Ruiz, administrador da comunidade desde 2018. 

De pouquinho em pouquinho o grupo foi crescendo, acompanhando a popularidade do podcast (que passou dos 4 milhões de downloads). É aí que a parada fica interessante. 

O administrador do grupo percebeu não só que Beatriz tinha Twitter, como que ela respondia todo mundo. Mandou uma DM e passaram a madrugada toda trocando mensagens. Se convenceu da inocência. “Eu falei da existência do grupo e que ali as coisas talvez não seriam boas pra ela, mas que eu ia tentar ajudar pra tentar convencer os outros. Ela entrou mesmo assim", conta. 


Publicidade

Beatriz Abagge dando entrevista para a série
Beatriz Abagge dando entrevista para a série

Reprodução

“No início houve uma discussão enormeeee sobre minha presença!”, me contou - por mensagem, ali mesmo, no Face - Beatriz Abagge. “Muitos não se sentiam confortáveis de questionar, pois eu certamente rebateria. É o que eu venho fazendo há quase três décadas”.

Os sete acusados

Nos últimos anos, principalmente por conta do podcast (e agora com a belíssima série do Globoplay), a percepção popular sobre o caso tomou outros rumos. 

Evidências recentes provaram que confissões, fundamentais para a condenação, haviam sido obtidas por meio de tortura.


Publicidade

Foto de um cartaz de desaparecimento de Evandro, feito na época do crime
Foto de um cartaz de desaparecimento de Evandro, feito na época do crime

Reprodução

De vilões, os sete principais acusados do caso (que têm Beatriz e sua mãe entre eles) passaram a ser reconhecidos como vítimas de uma violência policial injustificável. 

E, a internet é o lugar perfeito para que essas pessoas pudessem impulsionar suas vozes. 

Isso fez com que não fosse só Beatriz que estrasse no grupo. Sua mãe (Celina Abagge), Airton Bardelli, e outros acusados também dão as caras por ali. 

Logo, o lugar se tornou um espaço para ouvi-los. 

“Faço questão de dizer: ninguém da administração é imparcial. Todos acreditamos piamente na inocência, então conduzimos os trabalhos para que as pessoas envolvidas e suas famílias sejam respeitadas”, afirma Bruno.

“Acreditar na culpa é um direito, mas procuramos sempre balancear isso. É uma história real, as linhas das coisas são tênues, os limites são pouco evidentes”, completa.

Publicidade

No print, vemos Beatriz discutindo no Grupo
No print, vemos Beatriz discutindo no Grupo

Reprodução

O boom

Hoje o grupo conta com mais de 9 mil participantes, mas esse número é recente. Levaram quatro anos para que os primeiros ⅔ dos membros aparecessem. Os últimos 3 mil pipocaram nas últimas semanas. É o poder da TV. 

A série atraiu novos curiosos; antigas questões. 

“Na era pré-série, tivemos discussões muito aprofundadas sobre tudo. O grupo possui peritos, servidores públicos, advogados criminalistas, biólogos. Gente muito boa no que faz.”, conta Bruno. “Agora, é como se voltássemos a estaca zero. Primeiro, porque a série não é tão aprofundada, segundo, o perfil de quem assiste é mais casual. As pessoas vem muito cruas”, completa.

Publicidade

Publicidade

Veja também