Violência, assédio e feminicídio são as principais preocupações das mulheres brasileiras, revela pesquisa

Para elas, os casos aumentaram durante a pandemia.

BuzzShe

A violência e o assédio (40%), seguidos pelo feminicídio (26%) são as principais preocupações das mulheres brasileiras, de acordo com a pesquisa Observatório Febraban Mulheres, Preconceito e Violência, realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe).

Crédito: Siro Rodenas Cortes/Getty Images

Para o levantamento, foram ouvidas 3.000 brasileiras, entre os dias 19 de fevereiro e 3 de março deste ano.

Para 83% das entrevistadas, os casos de violência contra a mulher aumentaram durante aos dois anos de pandemia de covid-19. Na divisão por raça, 87% das mulheres pretas concordam com essa afirmação, o número é de 81% entre brancas e 83% entre pardas.

Jamie Casper/Getty Images

Publicidade

Mais da metade das entrevistadas (55%) afirmaram que já presenciaram ou tomaram conhecimento sobre mulheres próximas que foram vítimas de situações de violência, seja ela verbal, física ou sexual.

Getty Images

Esse número piora entre as mulheres que têm de 18 a 24 anos e chega a 63%.

Também passa da metade o número de brasileiras que disseram já terem sido vítimas ou presenciado alguma situação de preconceito, ou discriminação contra mulheres: na rua (67%), no transporte público (56%), em festas ou em locais de entretenimento (54%).

Ryan J. Lane/Getty Images

Publicidade

Infelizmente e sem muita surpresa, a grande maioria das mulheres (77%) apontaram a casa como o lugar onde as situações de violência, ameaça e assédio ocorrem com mais frequência.

Getty Images

69% citam pessoas próximas ou conhecidas, como atuais ou ex-parceiros, como principais agressores.

Outro dado importante da pesquisa diz respeito à denúncia dessas violências. Só 30% das vítimas denunciam o agressor.

Salim Hanzaz/Getty Images

A maioria delas (59%), disseram que a denúncia não é feita por medo de represália e de perseguição.Os motivos também são: vergonha (19%), medo de que não acreditem no fato (15%) e falta de confiança na Justiça (10%).

Publicidade

Por fim, também a maioria das entrevistadas disse que há desigualdade entre mulheres e homens quanto à: remuneração ou salários (82%), direitos (71%) e liberdade sexual (71%).

Getty Images

Um terço das entrevistadas (31%) aponta o machismo como principal causa para o Brasil ocupar a quinta posição em mortes violentas de mulheres no mundo.

Veja também