Este maravilhoso projeto fotográfico captou a beleza e a identidade da mulher negra brasileira

“As pessoas me enviaram mensagens dizendo que se identificaram com as histórias das modelos e que não se sentem mais abandonadas nessa luta”, disse Jessyca Alves.

Publicado por Kassy Cho e Conz Preti

Há 5 anos

Uma estudante de fotografia de São Paulo criou um projeto fotográfico para explorar a beleza e a identidade da mulher negra brasileira.

Jessyca Alves

Jessyca Alves

Publicidade

O projeto “Identidade Negra” foi criado por Jessyca Alves, de 22 anos, e por Rosana Theodora, uma expert da moda.

Jessyca Alves

No mês passado, o projeto foi compartilhado no Tumblr.

Jessyca Alves

Publicidade

Jessyca contou ao BuzzFeed News que criou o projeto para inspirar, empoderar e representar a comunidade negra.

Jessyca Alves

Jessyca Alves

Publicidade

Ela disse que a inspiração para o projeto foi “muito pessoal”.

Jessyca Alves

Jessyca Alves

Publicidade

“Passei minha vida toda sem saber quem eu era, sem ter conhecimento das minhas origens, da minha raça”, disse Jessyca. “Eu não sabia qual era minha verdadeira identidade”.

Jessyca Alves

Jessyca Alves

Publicidade

Ela contou que encontrou as modelos, com idades entre 14 e 49 anos, no Facebook.

Jessyca Alves

Jessyca Alves

Publicidade

Jessyca disse que queria explorar as identidades e as jornadas de autoconhecimento dessas mulheres.

Jessyca Alves

Jessyca Alves

Publicidade

Todas elas escreveram um depoimento sobre as dificuldades que já enfrentaram por causa dos padrões impostos pela mídia e da opressão da sociedade.

Jessyca Alves

Jessyca Alves

Publicidade

“O meu principal objetivo foi mostrar que podemos ser quem somos, sem ter vergonha nenhuma disso, e que devemos aceitar nossas verdadeiras identidades”, disse Jessyca.

Jessyca Alves

Jessyca Alves

Publicidade

Ela também falou que a resposta ao seu projeto foi muito positiva.

Jessyca Alves

“As pessoas me enviaram mensagens dizendo que se identificaram com as histórias das modelos e que não se sentem mais abandonadas nessa luta”, contou.

Veja também