Campanha do chocolate Snickers é acusada de machismo

Fotos das embalagens com palavras como "lesada" e "reclamona" começaram a viralizar nas redes sociais. Empresa diz que as barrinhas têm expressões nos gêneros masculino e feminino.

No último fim de semana, começou a viralizar pelas redes sociais uma foto das novas embalagens dos chocolates Snickers.

Logo começaram a aparecer comentários na página da marca no Facebook apontando o viés machista na campanha.

Não é a primeira vez que a Snickers é acusada de machismo. Em uma campanha anterior, Claudia Raia e Betty Faria apareciam dando chiliques quando estavam com fome. Mas bastava uma mordida no chocolate oferecido pelos amigos para que elas se transformassem em homens, legais e tranquilos.

Sobre essa campanha, veiculada desde 2015, a marca disse "que não teve intenção de ofender".

O comunicado enviado ao BuzzFeed Brasil diz: "A Mars Brasil [fabricante da Snickers] esclarece que a marca não teve nenhuma intenção de ser depreciativa e sexista. O filme, assim como toda comunicação da marca, preza pelo humor. O conteúdo do filme 'Vestiário' reforça o conceito da campanha 'Você não é você quando está com fome' e mostra jovens que mudam de personalidade ao constatarem que estão famintas. A Mars valoriza a igualdade de gêneros e não compactua com nenhum tipo de descriminação."

Na última noite, após o contato do BuzzFeed Brasil, a marca postou um gif com diversas embalagens que têm os dois gêneros destacados, mas continua recebendo críticas.

Ao BuzzFeed Brasil, a assessoria de imprensa da Mars, fabricante do Snickers, disse que as barras de chocolate contam com 31 palavras nos gêneros masculino e feminino.

A Mars disse ainda que as embalagens "estão chegando aos pontos de venda esta semana", o que seria o motivo dos consumidores encontrarem apenas as palavras no gênero feminino até o momento.

A ideia desta campanha é global e há várias imagens dela pelo Twitter.