15 experiências de infância que as crianças de hoje jamais terão

Uma vida sem tecnologia e com notas de 1 real.

1. Usar uma nota dessas para pagar seu lanche na cantina.

2. Que provavelmente era um destes:

E te dava esta alegria chamada TAZZO ao abrir. A produção original está aqui.

Publicidade

3. Se sentir muito rico com uma dessas.

Ou ficar olhando pelo círculo vermelho fingindo que tinha visão biônica ou algo do tipo.

4. Saber de cabeça pelo menos um país com D (Dinamarca).

Reprodução

Não tinha Google para dar busca.

Publicidade

5. Ficar ajustando a antena com bombril para sintonizar um canal de TV.

Isso quando seu pai não subia no telhado para arrumar a antena e você era incumbido da tarefa de dar o feedback, gritando "AGORA MELHOROU A GLOBO, PIOROU O SBT E A BAND SUMIU!".

6. Gastar metade do tubo de cola nisso.

Um passatempo muito comum nos tempos em que não tinha smartphone.

Publicidade

7. E saber como se divertir no computador SEM internet.

Altas artes no Paintbrush.

8. As crianças de hoje nunca saberão o que é ter um celular com tela duas cores.

E achar o máximo.

Publicidade

9. E provavelmente acham que isso é um modelo em 3D daquele "ícone de salvar".

Reprodução

10. Nem imaginam como era doloroso enroscar o cabelo no arame de ajuste desse fone.

Derrotados pela música.

Publicidade

11. As crianças de hoje nunca saberão o que é ter um versinho no convite de aniversário.

As nossas mães sempre superestimavam nossa popularidade.

12. Ou preencher seu convitinho à mão, com o nome do amiguinho.

Nada de evento no Facebook, muito menos convite impresso no computador.

Publicidade

13. Aprender a fazer escolhas com a ajuda do Word Art.

Eram tantas possibilidades e tão poucos "Trabalho de Ciências".

14. Chorar por um destes.

Reprodução

O pai do Paintbrush.

Publicidade

15. E queimar seu sanduíche em um desses.

Não tinha uma luzinha piloto para acender e avisar quando estava pronto.

Veja também:

16 memórias que farão você se perguntar como sobreviveu à infância

15 provas de que tudo era permitido no Brasil nos anos 80 e 90

Veja também