12 erros comuns que as pessoas cometem ao visitar São Paulo pela primeira vez

Muito legal, mêo!

1. Ignorar o Centro.

Ainda que São Paulo seja uma cidade enorme com muitas coisas legais espalhadas em diferentes regiões, o coração paulistano está na região central. Os arredores da Praça da República, Praça da Sé, Anhangabaú e Liberdade são essenciais para aprender sobre a história de São Paulo.

2. Comer no Mercado Municipal.

O Mercadão paulistano é onde donos de restaurantes e demais interessados por gastronomia fazem compras de itens específicos e em grandes quantidades. Comer por lá pode ser uma experiência e tanto, principalmente em dias úteis. Mas o Mercadão também pode ser uma armadilha para turistas, com vendedores insistentes, frutas vendidas a preço de ouro e quitutes que nem de longe são o melhor que a cidade tem a oferecer.

Publicidade

3. Fazer compras na 25 de Março.

A super famosa rua de compras populares do centro velho de São Paulo pode ser uma roubada. Claro que as centenas de lojas concentradas no mesmo lugar, e a tradição de venda de tecidos e acessórios para produção e costura, podem justificar uma visita. Mas se você não tem esse interesse específico, dá pra usar o tempo em outros lugares interessantes e próximos, como o Mosteiro São Bento ou o Farol Santander.

4. Visitar a Avenida Paulista em dia de protesto.

Com cerca de 3 quilômetros de extensão, plana e de fácil acesso para quem vem e vai de outras regiões, a Paulista se tornou a área de preferência para protestos de todos os temas, principalmente no vão do MASP e na frente do prédio da FIESP. E como a Paulista também é ponto de encontro e local de shows e eventos, às vezes as coisas podem conflitar. É bom se informar com algum paulistano ou, na dúvida, buscar por eventos no Facebook pra saber o que está acontecendo na avenida.

Publicidade

5. Ignorar as feiras de rua.

As feiras livres, que acontecem em dias certos da semana em lugares pré-definidos, são frequentadas principalmente por gente do bairro que vai comprar frutas e verduras, ou comer um pastel na hora do almoço. Vale sempre ver qual é a feira próxima de onde você está hospedado e dar esse pequeno mergulho na rotina da cidade.

6. Só usar carro.

Tudo bem que a cidade é grande a beça e tudo bem que a oferta de táxis e aplicativos é grande. Mas tente buscar opções: as linhas de ônibus e metrôs (fora de horário de rush) cobrem boa parte do centro expandido e trajetos curtos podem perfeitamente ser feitos a pé.

Publicidade

7. Achar que seu trajeto vai levar o tempo indicado pelo Google Maps.

Jamais subestime a possibilidade de ficar preso no trânsito entre A e B nunca ignore o tamanho absurdo da cidade.

8. Só circular pelo mesmo bairro/zona.

Vir pra São Paulo e ficar só nos Jardins ou só em Pinheiros/Vila Madalena é perder algumas das coisas mais legais que a cidade tem pra oferecer. Aproveite que o calendário cultural é extenso, pesquise a programação dos museus, SESCs e parques e circule mesmo!

Publicidade

9. Planejar visitar 259 lugares no mesmo dia.

Não tente conhecer tudo da cidade em um dia. Primeiro porque você não vai conseguir curtir e segundo porque os traslados entre um lugar e outro podem tomar mais tempo do que o planejado. Uma estratégia sensata é marcar uma coisa para fazer de manhã, uma pausa para almoço, uma coisa para fazer de tarde e um lugar para comer/beber algo de noite.

10. Gastar dinheiro em restaurantes caríssimos.

São Paulo é uma das cidades que torna real a expressão "caldeirão cultural" e tem excelentes restaurantes cinco estrelas. Mas a boa comida paulistana também está nos botecos, lanchonetes e restaurantes populares servindo comida de várias regiões do Brasil, além de Síria, Portugal, Japão, Itália e outros países. De uns anos pra cá está cada vez mais fácil encontrar comida de diferentes países da África, e também da Bolívia, Palestina e Coreia do Sul.

Publicidade

11. Usar bicicleta (ou patinete) nas calçadas.

É preciso lembrar: bicicletas e patinetes são meios de transporte e como tais estão sujeitos à regras. Essas regras ditam que só podem ser usados nas áreas definididas, como ciclovias e ciclofaixas, e, na falta delas, na rua em até 1,5m da calçada. A boa notícia é que você pode aproveitar esses veículos como lazer na maioria dos parques da cidade!

12. Falar "Sampa".

Você vai encontrar esse diminutivo carinhoso, eternizado por Caetano Veloso na música de mesmo nome, em bares, eventos e até contas de Instagram. Mas, acredite, é raro ver um paulistano usando "Sampa" no dia a dia para se referir à própria cidade. É como o "Big Apple" de Nova Iorque ou "Frisco" de San Francisco.

Publicidade

Veja também

Em qual bairro de São Paulo você deveria morar?

Escrito por Rafael Capanema • há 4 anos

Só quem manja muito de São Paulo vai gabaritar este teste

Escrito por Rafael Capanema • há 3 anos

Você daria conta de namorar alguém de São Paulo?

Escrito por Susana Cristalli • há 4 anos

Veja também