Reaprendendo a ler: uma coluna pra te ajudar a voltar para os livros

Se os seus hábitos de leitura estão piores que o governo Bolsonaro, não se preocupe.

Há 6 meses

BuzzShe

Se você nunca mais soube o que é sentar a bunda no sofá, largar o celular e abrir um livro, esta coluna é pra você. Mas se você tem obsessão por livros e não vive sem eles, esta coluna também é pra você.

Divulgação

Estreamos hoje a coluna semanal Reaprendendo a ler, assinada pela nossa diretora de conteúdo Gaía Passarelli e pela redatora Débora Lopes. Aqui, você vai conhecer livros incríveis com o olharzinho esperto, sarcástico & safado típico do BuzzFeed que você tanto ama. E se os seus hábitos de leitura estão piores que o governo Bolsonaro, não se preocupe. Toda semana a Gaía e a Débora vão trazer uma dica certeira® pra você conseguir largar o celular e ler mais.

Dica para reaprender a ler: a "técnica pomodoro"

Carol Yepes / Getty Images

Na real essa é uma dica de produtividade que serve meio que pra tudo: chama Pomodoro Technique e consiste em dividir o tempo em espaços de 25 minutos com intervalos de cinco. É muito simples e a ideia aqui é não apavorar, fazer uma coisa por vez e se recompensar a cada meta alcançada. Sendo bem sincera comigo mesma, eu não consigo desligar o celular e passar três horas seguidas lendo (alguém consegue?!) e inclusive a tarefa me apavora. Mas eu consigo ler por quase meia horinha, levantar pra beber água, dar uma passada no Twitter/Instragram se for o caso, e voltar pra ler mais um pouco, e segue a vida. Nessa de recompensar a concentração com respiros, eu acabo conseguindo ler por várias horas sem sofrer com ansiedade. Você pode usar o timer do seu celular ou instalar uma das dezenas de apps pra isso. Procure por "pomodoro". De nada. - Gaía Passarelli

Dica de livro: "Recordações da Minha Inexistência", Rebecca Solnit (Companhia das Letras, 2021)

Cia das Letras

"Ser uma jovem mulher significa enfrentar a sua própria aniquilação de maneiras inumeráveis" — a frase está no início de "Recordações da Minha Inexistência", volume de memórias da escritora Rebecca Solnit, lançado há pouco no Brasil pela Companhia das Letras. O título poético dá o tom do livro, que mistura lembranças da juventude da autora na Califórnia nos anos 1980-90 com reflexões sobre questões sobre ser ou se tornar mulher. A leitura é fácil, sem grandes arroubos acadêmicos e profundamente pessoal, com trechos que vão reverberar para todas que tem a experiência de ser mulher nesse mundo, como esse: “Sou uma mulher que, nos primeiros anos da adolescência, teve que aprender a se esconder, a se esgueirar e desaparecer de vista quando perseguida por homens adultos, pois dizer a eles para me deixarem em paz era, naquela época, inconcebível como algo que eu tivesse o direito de dizer com segurança”. Por tratar muito da formação de Solnit como historiadora e ensaísta, além de ativista, é uma boa forma de ler sobre luta feminista, mesmo que a partir da experiência de uma mulher branca e norte-americana vivendo em São Francisco. A autora é, afinal, responsável por popularizar o termo “mansplainning" (no ótimo "Os homens explicam tudo pra mim”, ensaio de 2014) e escreveu mais quinze obras com temas como história indígena e debates de gênero, como o ótimo “De quem é essa história”, de 2020.

E vale lembrar: a editora tem outros títulos publicados que conversam com o Mês Internacional da Mulher:

"Será que sou feminista", Alma Guillermoprieto

"Por um feminismo afro-latino-americano", Lelia Gonzales

"Quem tem medo do feminismo negro", Djamila Ribeiro

"As 29 poetas hoje", várias autoras e organização de Heloísa Buarque de Hollanda

- Gaía Passarelli

Dica de livro: "O Útero é do Tamanho de um Punho", Angélica de Freitas (Companhia das Letras, 2012)

Cia das Letras

Existem boas doses de humor e raiva nos poemas que compõem este que é o segundo livro da gaúcha Angélica de Freitas. Com ironia e sem nenhum resquício de romance, "O Útero é do Tamanho de um Punho" faz uma leitura interessante sobre a construção do estereótipo da mulher na sociedade. "Uma mulher gorda incomoda muita gente / Uma mulher gorda e bêbada incomoda muito mais", traz um dos poemas. Ao longo das quase cem páginas, a autora desenrola sentimentos de culpa, angústia, mas também de resistência contra tanta coisa que faz mal para a nossa autoimagem: "Comecei regime porque me sentia mal / Eu me sinto mal eu me sinto tão mal / Troquei os biscoitos por brócolis queijo cottage e aipo / Coragem eu não tenho de fazer uma lipo / Eu me sinto tão mal por tudo que comi esse tempo todo / Tão mal e tem tanta gente passando fome no mundo."

Mas "Um Punho é do Tamanho de um Útero" não é um pedido de socorro, é um atestado de que por mais que o feminismo consiga combater certos males e que nós, mulheres, possamos ter mais consciência do que acontece ao nosso redor, essa luta também tem seus momentos inglórios. E é com isso que a autora flerta a todo momento: com as nossas pequenas derrotas, com o que nos faz mais humanas, mas também fortes. Em dado momento, ela escreve: "Um útero é do tamanho de um punho / não pode dar soco". 

- Débora Lopes

Como estão os seus hábitos de leitura durante a pandemia?

Não tenho lido

Leio pouco

Estou lendo bem

Tenho lido mais do que antes

Veja mais:

21 ótimos livros para ler em 2021

21 livros essenciais escritos por mulheres

13 livros de escritoras brasileiras negras que você precisa conhecer

Que livro da Agatha Christie mais combina com você?

Veja também