Você precisa conhecer a ativista trans e cadeirante Leandrinha Du Art

O vídeo dela que viralizou durante o final de semana é uma aula de autoestima.

BuzzShe

Esta é Leandra Du Art, fotógrafa de 22 anos, moradora de Passos (MG), ativista trans e cadeirante conhecida como Leandrinha Du Art nas redes sociais.

Reprodução/Tassio Lopes / Via Facebook: LeandrinhaDuArt

Leandrinha nasceu com uma condição rara chamada Síndrome de Larsen, que afeta o desenvolvimento dos ossos. Em suas redes sociais, ela posta vídeos, responde a perguntas do público e divulga seu trabalho como fotógrafa e escritora.

Durante o final de semana, um vídeo da Leandrinha viralizou nas redes sociais, passando de 2 milhões de visualizações.

Postado na sexta-feira (30), o vídeo foi produzido com a ajuda de Tassio Lopes, Karina Pierroti e Drielly Lopes. Nele, Leandrinha conta a sua jornada de autoconhecimento como cadeirante e mulher trans, comovendo os seguidores.

"Eu demorei a entender o meu corpo, eu demorei a entender quem eu era, as minhas limitações. Foi um processo bem lento de se descobrir. Este é o meu corpo, eu tenho que parar de esconder ele", afirma Leandra no vídeo.

Publicidade

Leandrinha contou ao BuzzFeed Brasil que está emocionada com a repercussão dos últimos 4 dias. "A cada hora recebo mais mensagens de pessoas tocadas com a minha história."

Reprodução/Facebook / Via Facebook: LeandrinhaDuArt

A página dela no Facebook existe desde 2015 e surgiu com o objetivo de dar visibilidade para pessoas trans e cadeirantes. "As pessoas já me olhavam, então era hora de aproveitar para fazê-las abrirem as suas cabeças", disse.

Além de ser presidente de uma associação para pessoas com deficiência física em Passos (MG), Leandrinha ainda fotografa, escreve crônicas, contos eróticos e reflexões em seu blog.

Reprodução/Facebook / Via Facebook: LeandrinhaDuArt

"Eu vejo beleza onde às vezes não há beleza, eu busco fazer com que as pessoas olhem com mais carinho", disse Leandrinha, que tem um trabalho voltado para o empoderamento feminino, autoestima e aceitação do corpo.

"Eu quero que as pessoas se olhem no espelho, se achem gostosas e se amem. Eu quero que elas vejam que elas são desejadas", afirmou.

Publicidade

Veja também:

18 maneiras de uma pessoa LGBT empoderar a outra

Oito coisas que aprendemos com o criador da série "Quem Sou Eu?" do Fantástico

Veja também