Vítima de estupro pode até mudar de nome para se proteger de traficantes

Adolescente de 16 anos foi incluída em programa de proteção a ameaçados de morte

A garota de 16 anos vítima de um estupro coletivo foi incluída em um programa de proteção a crianças e adolescentes ameaçados de morte. Ela já deixou o Rio, acompanhada da família. E poderá mudar de nome.

O Globo/Reprodução

A vítima do estupro coletivo foi incluída no programa federal de proteção de crianças e adolescentes ameaçados de morte.

Publicidade

O governo do Rio confirmou que ela foi incluída no programa de proteção a crianças e adolescentes vítimas de violência, do Ministério da Justiça. Ela e a família passarão a viver em uma nova cidade. Por causa dos riscos identificados à vida dela, é possível que ela passe a viver fora do Estado do Rio de Janeiro.

A mudança de nome é uma providência que poderá ser adotada se os responsáveis pelo programa no local de destino da vítima considerarem necessária para evitar que ela seja localizada.

Inteligência da polícia e o Ministério Público identificaram ameaças de traficantes à adolescente. Algumas já haviam surgido em redes sociais. Foi então que família aceitou entrar no programa de proteção.

Globo News/Reprodução

A delegada Cristiana Bento, que conduz a investigação do estupro coletivo.

Publicidade

Além de ameaças e recados nas redes sociais, a inteligência da polícia e o Ministério Público do Rio concluíram que a vida da adolescente corria risco porque o caso do estupro coletivo teve envolvimento de traficantes.

Um dos suspeitos de ter participado do estupro é Sérgio Luiz da Silva Júnior, o Da Russa, apontado como o chefe do tráfico no Morro da Barão, na Praça Seca, local onde o estupro aconteceu. Ele está foragido.

Por medida de segurança, nem escolta policial que a acompanhava viu quando deixou o prédio no Rio, na última segunda, rumo a uma nova cidade, acompanhada de uma equipe do programa de proteção.

Publicidade

Objetivo do programa é fazê-la apagar as conexões com o passado: por ordem do programa, a adolescente excluiu perfis em redes sociais e está proibida de voltar a se comunicar, por qualquer meio, como internet ou telefone, com antigos amigos e conhecidos.

Facebook

Foi pelo Facebook que a vítima se expressou sobre o caso: "não dói o útero, mas a alma".

Publicidade

Enquanto isso, investigação prossegue. Terceiro suspeito se entregou na tarde desta quarta (1) à polícia. Em carta aberta, ele negou ter participado do estupro. Outros 2 estão presos e 4 ainda são considerados foragidos.

      

Suspeito enviou carta aberta, que foi publicada pela página no Facebook Jacarepaguá Notícias RJ.

Publicidade

Veja também:

Tudo que sabemos até agora sobre o caso do estupro coletivo no Rio

Internet reagiu com indignação quando Eduardo Paes mudou foto de perfil

12 notícias que mostram por que não adianta tentar justificar um estupro

Como o caso da menina do Rio fez a internet falar de cultura do estupro

Veja também