Uma estudante projetou um absorvente interno que não abre cilindricamente, e eu nunca tinha pensado sobre o formato da minha vagina

Dizem que o absorvente interno foi criado por um homem que enfiou algodão em uma camisinha.

BuzzShe

De acordo com a mitologia acerca da menstruação, o absorvente interno atual foi criado por um homem chamado John Williamson, que encheu uma camisinha com um material parecido com algodão. Seguindo esta lógica, eles foram criados no formato de um pênis, e não de uma vagina. Quando paramos para pensar nisso, eles se abrem cilindricamente. Mas a vagina é cilíndrica?

Tampons by August
Tampons by August

August / Nadya Okamoto

Conforme a história, Williamson trabalhava na Kimberly-Clark nos anos 1920. Quando ele apresentou a solução menstrual para o pai, consultor médico na mesma empresa, ele supostamente gritou: "Eu jamais colocaria algo tão estranho dentro de uma mulher!".

Apesar disso, segundo os registros de patentes, Earle Haas foi quem inventou, em 1931, o absorvente interno como conhecemos hoje. A primeira marca comercial foi a Tampax, que usava o design patenteado de Haas.

Nadya Okamoto, estudante de Harvard, queer, asiática-americana e co-fundadora da August, uma empresa de cuidados menstruais, levou esta questão para o TikTok e viralizou, explicando que projetou um absorvente interno que realmente se encaixasse na vagina e que não expandisse em formato cilíndrico.

Nadya Okamoto standing against a white wall
Nadya Okamoto standing against a white wall

Nadya Okamoto

Nadya também é co-fundadora da Period, uma organização global sem fins lucrativos que luta contra a pobreza e o estigma menstrual, e é autora do livro "Period Power".

Publicidade

"Nossos absorventes abrem axialmente, ou seja, para os lados", explicou ela, assim como nos seus vídeos do TikTok. "Assim, não coloca pressão nas laterais das paredes vaginais. Ao mesmo tempo, ele absorve o sangue a partir da parte superior, quando o colo do útero abre, mas ainda se mantém estreito na ponta, para que fique mais confortável de retirar".

@nadyaokamoto

Reply to @.elena._.innit @itsaugustco #tampons! #onmyperiod #meexplaining #raiseatoast #thisopportunity #deeprealization

Quando o endométrio, o revestimento do útero, é expelido durante a menstruação, sangue, tecido e nutrientes saem pela abertura do colo do útero e da vagina.

Para esclarecer, as vaginas têm formatos, tamanhos e cores diferentes, mas estudos de imagem já comprovaram que a maior parte delas é mais estreita na abertura e mais larga no colo do útero. Isso faz com que ela tenha um formato em "V".

Supor que a vagina é como se fosse um estojo cilíndrico para um pênis não é absurdo. A palavra "vagina" significa literalmente "invólucro" em latim, enquanto "gladius" é uma gíria latina para "espada".

Publicidade

Além do design inovador, os absorventes internos e externos são produzidos com algodão 100% orgânico e são biodegradáveis em até 12 meses: um contraste gritante em relação aos absorventes tradicionais, que levam de 500 a 800 anos para se decompor, além de uma embalagem conter plástico pelo equivalente a de três a cinco sacolas plásticas. "Não usamos plástico neles e usamos cola própria para alimentos, então, mesmo grudando, é completamente absorvente", Nadya me contou.

Victoria Vouloumanos / BuzzFeed

"Nossas embalagens não são plásticas. São feitas a partir dos mesmos materiais que as sacolas compostáveis. Nossos aplicadores são recicláveis e livres de BPA. Além disso, nossa cadeia de fornecimento é neutra em carbono", continuou Nadya. (August também tem uma página de rastreamento para destacar isso).

Ela também reconhece que, apesar de haver copos menstruais, a comunidade expressou que prefere absorventes internos e externos, o que Nadya atribui a uma falta de conversa sobre cuidados menstruais, fazendo com que muitas pessoas que menstruam usem o que vêem sendo utilizado em casa. "Muito do que fazemos é ajudar as pessoas com o que elas já fazem, mas oferecendo versões mais sustentáveis, e continuando a falar sobre isso".

Para demonstrar como os absorventes internos da August funcionam, Nadya posta vídeos no TikTok usando sangue menstrual falso. Ela já usou até seu próprio sangue menstrual em sua conta pessoal. E, embora ela esteja tentando afastar os estigmas e retratar menstruações de maneira realista, quando os espectadores perguntaram sobre a cor do seu sangue, ela ensinou os motivos pelos quais pode haver diferença de cor na menstruação. O primeiro anúncio da August foi tirado do ar pelo TikTok por "conteúdo violento e explícito".

@itsaugustco

Reply to @claudiaovejero Working on finding the most authentic period blood recipe in the game! Drop any more reccs you have in the comments 🔥 #diy

"Essa função biológica é o que torna a vida humana possível. É algo natural que mais da metade da população global experiencia", afirmou Nadya. "Fico triste quando outras pessoas jovens que menstruam dizem que é nojento, porque dizer isso é o mesmo que pensar que seu sangue menstrual é nojento. E isso acontece porque a sociedade acha que menstruar é nojento e algo de que se deve ter vergonha".

Publicidade

Inclusive, em 2020, um anúncio (da marca Kotex) usou pela primeira vez líquido vermelho em vez de azul para demonstrar a absorção dos absorventes. Então, apesar de você poder achar sangue menstrual nojento, o estigma menstrual e a censura são questões maiores na sociedade, incluindo o fato de não haver educação menstrual nas escolas, pobreza menstrual e saúde mental.

"Em 2021, estamos enfrentando uma época em que marcas menstruais se recusam a usar a palavra 'menstruação', que não são inclusivas na questão de gênero, que usam líquido azul em vez de vermelho, que usam eufemismos como 'aqueles dias' e que não falam sobre a menstruação como ela é", afirmou Nadya. "Sabe, mesmo nessas campanhas globais gigantes, eles não dizem a palavra 'menstruação'".

No ensino fundamental, muitas adolescentes já sabem esconder absorventes nas mangas ou no cós da calça. "Estamos condicionados a pensar que esse pequeno pedaço de algodão é tão vergonhoso que precisamos escondê-lo a todo custo, às vezes, até levando toda mochila para o banheiro. Ninguém nos diz para fazer isso, né?", destaca Nadya.

Two models wear hoodies, one says, "on my period," and the other says, "periods make human life possible"
Two models wear hoodies, one says, "on my period," and the other says, "periods make human life possible"

August / Nadya Okamoto

Nadya atribui a falta de ensino menstrual à educação sexual e mental incompreensiva nas escolas públicas, já que algumas escolas exigem autorização antes de discutir sobre o assunto, pois é considerado inapropriado.

Como resultado, Nadya acredita que o primeiro passo é conversar sobre sexo consensual, menstruação e puberdade de uma maneira real e compreensiva, incluindo tópicos como dores menstruais, TPM, miomas uterinos e endometriose, por exemplo, sem vídeos antiquados e constrangedores.

Publicidade

Embora a ocultação menstrual esteja normalizada, a educação adequada e objetiva no que se trata do assunto não está. Em 1946, a Walt Disney Productions (comissionada pela Kimberly-Clark) produziu um dos primeiros filmes comerciais distribuídos nas escolas norte-americanas, intitulado "The Story of Menstruation" ("A História da Menstruação" em tradução livre). Mas, em vez de enfatizar que isso é normal, e não um motivo para vergonha, a animação de 10 minutos normaliza a vergonha da menstruação.

Embora o filme trate de mulheres, é importante reconhecer que nem todas mulheres menstruam e que nem todo mundo que menstrua é mulher.

A Disney consultou um ginecologista para garantir rigor científico e discutir "tabus" no filme. Ainda assim, a animação reforça o "comportamento adequado" e a "limpeza". Ao colocar a menstruação como uma questão de regulação emocional e higiene, ele perpetua um estigma e equívocos sobre o assunto.

Francamente, os vídeos sobre educação menstrual não melhoraram muito desde 1946. Claro, a Disney não foi a primeira a colocar a menstruação como uma questão de higiene e discrição, as empresas de cuidados menstruais fazem esse mesmo marketing há décadas.

Vintage Kotex ad saying, "A great hygienic handicap that your daughter will be spared"
Vintage Kotex ad saying, "A great hygienic handicap that your daughter will be spared"

Kotex (Cellucotton Products Co.). 1926. Harper's Bazaar, 59(2561), pp. 135. / Via thecovaproject.com

"Essas marcas são responsáveis por perpetuar ainda mais esses estigmas acerca da menstruação", disse Nadya. "Eles vendem os itens principalmente para mulheres dizendo para que comprem seus produtos e, assim, esconder e esquecer que você está menstruada".

Publicidade

O estigma e a ofuscação da menstruação podem causar problemas ainda maiores. Em primeiro lugar, dificultam que pessoas que menstruam consigam se comunicar e receber um bom tratamento. Por exemplo, a endometriose demora, em média, sete anos para ser diagnosticada, boa parte pelos mitos a respeito das dores menstruais.

@periodmovement / Via instagram.com

Além disso, apesar de ser uma crise de saúde pública, a pobreza menstrual não tem visibilidade alguma. Um estudo de 2021 menciona que quase um quarto dos estudantes dos Estados Unidos já passaram por isso e, durante a pandemia, 16% dos estudantes escolheram comprar produtos menstruais em vez de comida ou roupas. Pessoas sem teto podem utilizar até papel higiênico, meias, sacos de papel e papelão por não ter como comprar esses itens.

@itsaugustco

Did you know that period poverty continues to be an issue in the U.S.? #menstrualhygieneday2021 #periodpoverty #askaugust 💞@nadyaokamoto

Em contrapartida, outro estudo prevê que "o mercado global de produtos de higiene femininos" vai atingir mais de 51 bilhões de dólares até 2027 (cerca de R$255 bilhões). A população encarcerada também sofre com a pobreza menstrual devido à restrição de quantos produtos podem ser destinados a ela, muitas vezes precisando reutilizar produtos que deveriam ser utilizados uma só vez.

Publicidade

Naturalmente, a pobreza menstrual e o estigma podem ser suficientes para causar problemas à saúde mental, mas a própria menstruação também pode influenciar nisso. A menstruação é um ciclo completo com 4 fases, 28 dias (em média), em que os níveis de hormônio (incluindo o estrogênio, que está relacionado à serotonina) sofrem alterações. E, como Nadya destacou, "alterações de hormônio são iguais a alterações na saúde mental".

Nadya sits on a toilet with her underwear down, showing a pad
Nadya sits on a toilet with her underwear down, showing a pad

Nadya Okamoto

Ela explicou: "Existe uma ansiedade a respeito de menstruar, a TPM, as mudanças corporais, a dor, a acne, etc. Todos sabemos o que pode acontecer: ser pego de surpresa sem os produtos necessários e talvez passar vergonha por ter que caminhar em público com uma mancha de sangue visível".

No fundo, Nadya acredita que as marcas de produtos menstruais deveriam ter a responsabilidade de melhorar os cuidados e lutar contra o estigma menstrual. Essa crença fez com que ela projetasse um absorvente interno mais confortável e funcional e criasse produtos mais sustentáveis. Ela também criou uma plataforma digital para ajudar a criar uma comunidade segura para que as pessoas pudessem aprender sobre a menstruação.

The Ask August page with questions by topic and their medical board
The Ask August page with questions by topic and their medical board

August / Nadya Okamoto

O site fornece um banco de dados com respostas para perguntas sobre o assunto. "Quando você pergunta para alguém o que é necessário para a menstruação, ninguém responde que tem uma menstruação incrível e sem problemas", compartilhou Nadya.

"Se você acessar a plataforma e não encontrar a resposta que está procurando, pode enviar sua pergunta, e nós responderemos para você. Nós queremos criar um espaço coletivo em que podemos acrescentar informações sempre", adicionou.

Publicidade

"Independentemente de onde minha carreira me levar, eu sou apaixonada e fico empolgada por procurar alternativas para melhorar a qualidade da menstruação e acabar com a pobreza menstrual e o estigma", conclui Nadya.

Nadya Okamoto standing in her underwear and sweater, visibly wearing a pad, in front of a window
Nadya Okamoto standing in her underwear and sweater, visibly wearing a pad, in front of a window

Nadya Okamoto

Apesar da aceitação da sociedade da forma como a menstruação é tratada, muitos problemas, desde a educação até a pobreza menstrual, devem ser enfrentados, mesmo que seja só tirando um tempinho para pensar sobre o formato da sua vagina.

Publicidade

Este post foi traduzido do inglês.

Veja também