10 revelações dos novos docs sobre Britney Spears que vão te deixar com ainda mais raiva

"Controlling Britney Spears" e "Britney Vs. Spears" mostram que havia escuta até no quarto dela.

Com o movimento #FreeBritney ganhando cada vez mais força, produções têm mostrado o o imenso número de abusos sofridos Britney Spears durante o tempo em que foi posta sob tutela do pai.

Nesta semana, dois novos documentários foram lançados: "Britney Vs. Spears", da Netflix, e "Controlling Britney Spears", do jornal "The New York Times". E as revelações trazidas por ambos são chocantes.

Getty Images

Publicidade

A gente lista algumas delas a seguir.

1. Para começar, o pai de Britney, Jamie Spears, contratou uma empresa de segurança, chamada Black Box, que tinha como uma das missões espionar até mesmo os fãs do movimento #FreeBritney e se infiltrar entre eles.

Getty Images

Publicidade

2. A espionagem não se resumia a isso. O iPhone de Britney estava espelhado em um iPad pela conta de iCloud, de modo que o pai e seus asseclas tinha acesso a todas as ligações, mensagens, áudios, aplicativos e fotos da cantora em seu aparelho.

3. Acha que é só? Não. Eles ainda plantaram grampos no quarto de Britney e possuem mais 130 horas de gravações de momentos íntimos dela com os filhos, amigos e com o namorado. Eles queriam saber de TUDO o que acontecia em sua vida.

Getty Images

Publicidade

4. TODOS os namorados de Britney tinham de ser aprovados pelo pai e assinar contratos de confidencialidade. Além disso, se quisessem dar uma volta com ela, precisavam pedir permissão.

Getty Images

5. Britney estava tão presa que não podia dirigir o próprio carro. Certa vez, para gravar um documentário, mobilizaram 30 pessoas e a levaram para uma estrada vazia para que ela tivesse 30 minutos de liberdade dirigindo enquanto era filmada.

Publicidade

6. Para conseguir obter o que queria, o pai de Britney ameaçava lhe proibir de vez seus filhos.

Reprodução/Instagram

7. Todas as decisões foram tomadas por Jamie Spears sob influência do dono da empresa de segurança e espionagem, Edan Yemini, e de Robin Greenhill, que representa a Tri Star, empresa que cuida das finanças de Britney. Em dado momento, vê-se Robin afirmando que Britney é obrigada a trabalhar até mesmo em seu aniversário. A Tri Star pertence a Lou Taylor, que tem laços com uma igreja pentecostal e aconselha o pai da cantora.

Reprodução/Instagram

Publicidade

8. Britney pediu por diversas vezes para a tutela ser encerrada e não foi ouvida. Em dado momento, pediu para o pai, que tem histórico de alcoolismo, fazer exames. A juíza do caso respondeu: "Quem ela pensa que é?".

9. Todos os amigos mais próximos de Britney eram afastados dela. E, apesar de render milhões, a cantora não tinha dinheiro nem mesmo para comprar um tênis que gostasse. Para manter contato com pessoas, ela tinha de decorar telefones.

Publicidade

10. E o mais importante: se ela era considerada inapta para cuidar de si mesma e tinha até diagnóstico de demência, como ela tinha permissão para trabalhar TANTO, inclusive, sem direito a férias entre turnês? E por que ela era colocada em clínicas sem sua permissão, com seguranças na porta de seu quarto? Para receber visita, ela chegou a sugerir que um advogado se disfarçasse de encanador.

#FreeBritney

Publicidade

Veja também