Paulinho levou o Candomblé pra Tóquio, e tá lindo de ver as reações

O camisa 7 é o motivo que precisávamos para torcer pela Seleção na Olimpíada.

Há 4 meses

Paulinho simulando um tiro de arco e flecha
Paulinho simulando um tiro de arco e flecha

Divulgação: CBF

"Nunca foi sorte, sempre foi EXU". Foi o que mandou Paulo Henrique Sampaio Filho, o Paulinho, poucos dias antes de embarcar pra Tóquio. O camisa 7 da Seleção na Olimpíada tem usado os holofotes para falar sobre sua religião, diversidade e ciência.

O futebol é uma instituição predominantemente cristã. Pelo menos à primeira vista. Basta pensar em quantos "Deus é Fiel" já pipocaram em comemorações. Ou mesmo nos vestiários, onde é de lei rolar o chamado "fechamento": um momento antes do jogo onde os atletas se reúnem em roda para rezar um Pai Nosso. Paulinho, no entanto, está aí pra mostrar que há sim espaço para outras religiões.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

E tem muito a ensinar aos brasileiros. 

Publicidade

Veja também