O tema da Parada do Orgulho LGBT 2021 nunca foi tão necessário

Ainda falta muita informação, respeito e empatia quando falamos sobre HIV e Aids.

Homem de costas segurando a bandeira LGBT e andando pela Avenida Paulista, em SP
Homem de costas segurando a bandeira LGBT e andando pela Avenida Paulista, em SP

FG Trade

A Parada do Orgulho LGBT é, sem dúvida, um dos eventos mais importantes do Brasil e, pela segunda vez, será totalmente online. No próximo domingo (6), durante oito horas de transmissão, artistas e personalidades da comunidade, como Pabllo Vittar, Pepita, Nátaly Nery, Lorelay Fox, Spartakus, Mandy Candy e Gloria Groove, se apresentam para o público. O tema desse ano é "HIV/Aids: Ame + Cuide + Viva +".

A definição, inclusive, partiu de uma reflexão sobre o que temos vivido no último ano com o coronavírus. Apesar de não ser transmitido pelo ar, por um aperto de mão ou por um beijo, o HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) ainda é cercado de estigmas e preconceitos. E, talvez, a pandemia da Covid-19 possa ter ajudado a sociedade num geral a ver as pessoas além dos números, das estatísticas ou do julgamento por ser soropositivo para HIV.

Publicidade

Mas os dados, claro, continuam importantes pra podermos medir os impactos sociais do vírus. E, para ilustrar melhor a importância desse assunto em pleno 2021, destacamos alguns dados do Índice de Estigma em Relação às Pessoas Vivendo com HIV/Aids no Brasil, de 2019, abaixo:

46,3% dos entrevistados já foram vítimas de comentários discriminatórios dentro da própria família por serem soropositivos para o HIV;

Publicidade

19,6% já perderam uma fonte de renda ou emprego por serem soropositivos para o HIV;

81,8% acham difícil contar às pessoas que são soropositivos para o HIV;

Publicidade

36,7% sentem vergonha de serem soropositivos para o HIV;

21,6% se sentem sujos por serem soropositivos para o HIV;

Publicidade

Diante dessas porcentagens dá pra entender como é importante a Parada desse ano abordar a questão do HIV sob um olhar social, das relações humanas e da nossa prática diária de empatia. Entre os convidados para falar especialmente sobre o tema estão médicos infectologistas e a covereadora de São Paulo Carolina Iara (PSOL), que vive com HIV.

Nós, aqui do BuzzFeed, com certeza vamos acompanhar a Parada. E você?

Serviço

Parada Virtual do Orgulho LGBT de São Paulo 2021

Quando: 6 de junho, a partir das 14h

Onde assistir: no canal ParadaSP, no YouTube

Publicidade

Veja também