Pandemia para quem? Políticos brasileiros continuam fazendo festas e aglomerações numa boa

O Brasil tá lascado®.

Recentemente publicamos por aqui diversas celebridades brasileiras que aparentemente têm levado suas vidas como se não estivéssemos há mais de um ano enfrentando uma pandemia.

Reprodução/Instagram

O mais curioso é que o mesmo acontece com políticos. Aglomeração, festinha, bebida, churrascaria, gente sem máscara, abraços. Veja seis casos lamentáveis abaixo.

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo/Reprodução

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), aglomerando na maior naturalidade.

Publicidade

1. Quando venceu a eleição e se tornou o novo presidente da Câmara dos Deputados, em fevereiro, Arthur Lira (PP-AL) achou tranquilo celebrar com muita aglomeração, aperto de mão e abraços em uma festa para 300 pessoas. Sim, 300 PESSOAS. Não fosse um ou outro de máscara na foto abaixo a gente nem ia pensar que isso aconteceu durante a pandemia.

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Publicidade

3. Só porque tem gente morrendo vocês acham que Cláudio Castro (PSC), governador em exercício do Rio de Janeiro, ia deixar de celebrar seus 42 anos? "Não é hora de fazermos festas", ele disse em coletiva de imprensa dois dias antes de fazer, hm, uma festa em sua casa no dia 28 de março. O G1 chegou a fazer imagens de dentro da mansão. Todo mundo bebendo e curtindo sem máscara.

Claudia Martini / Futura Press

4. Agora vamos explicar esta história com calma senão vai ser mais difícil de entender do que a treta da família Pôncio. No dia 11 de março, a PM flagrou uma festa clandestina com 40 pessoas acontecendo em uma residência na ilha de Itamaracá, no Grande Recife, Pernambuco. O caso envolve o filho do prefeito e o vice-prefeito da cidade, que acabou detido por aglomeração.

Bruno Campos/JC Imagem / Via jc.ne10.uol.com.br

A casa pertence a Paulo Henrique de Lima Andrade, que, além de ser filho do prefeito, também é secretário de juventude do município. Em entrevista à Rede Globo, Paulo disse que costuma alugar a casa por temporadas e, na data, quem estava alugando o espaço era o filho do chefe da Guarda Municipal da cidade. Acontece que, quando a polícia foi interromper o evento, o vice-prefeito George Baiá (PSD) estava no local. Ele afirmou que estava de passagem quando parou para ver o que era a movimentação, mas acabou saindo de lá autuado por desacato e por infração de medida sanitária preventiva.

Publicidade

5. Enquanto o estado de Roraima vivia a fase grave da pandemia, em fevereiro deste ano, o senador Telmário Mota (Pros) promoveu um evento no centro da cidade de Rorainópolis com a desculpa de prestar contas com a população. Na verdade, o evento fazia sorteio de brindes e prêmios, provavelmente por isso tanta gente apareceu. Pra piorar, o senador foi visto sem máscara em cima do palco. O Brasil tá lascado mesmo, galera.

Anderson Santos/Rede Amazônica / Via g1.globo.com

Publicidade