O papel dos barbeiros negros na escravidão e liberdade

Dos trabalhos forçados à criação de um empreendimento negro que existe em toda a diáspora.

Já imaginou que, ainda no período da escravidão, haviam homens negros com o poder de passar navalhas afiadas no pescoço de homens brancos?

Reprodução

Apesar do poder ser temporário, ele era absoluto. De alguma forma, esse poder refletia na forma com que a sociedade - branca ou negra - via esses homens que trabalhavam como barbeiros. Muitos eram considerados líderes em suas comunidades e conseguiram uma modesta ascensão social e independência financeira.

Defendendo a independência econômica dos negros e ampliando essa ascensão, alguns dos barbeiros mais bem-sucedidos fundaram as maiores companhias de seguro comandadas por negros nos EUA.

Mas a tradição das barbearias e salões negros existe em toda a diáspora.

Reprodução | Foto de Leonard Freed & Magnum Photos

Os profissionais brancos nunca se importaram em saber cortar os cabelos e tratar adequadamente a pele onde cresce uma barba crespa. É um trabalho feito de negros para negros, geralmente.

Publicidade

Para muitos é um espaço sagrado, onde homens negros conversam e saem com a autoestima elevada.

Reprodução | Big Daddy Kane cortando o cabelo no início dos anos 90.

Sem falar na fidelidade envolvida: não se troca a pessoa que sabe cortar o seu cabelo direito.

Para os clientes que ascenderam socialmente ou que simplesmente se mudaram para outros bairros, a volta à barbearia/salão (feita semanalmente ou, no máximo, a cada quinzena) do bairro representa a manutenção das suas raízes e vínculos de amizade.

Reprodução | Foto de Daniela Dacorso - Agência O Globo

Para os proprietários, representa uma alternativa de independência financeira e social, com um negócio voltado à sua própria cultura.

Publicidade

Texto de Jun Alcantara.

Veja também