Minas do rap nacional que você precisa conhecer

Elas dão nome na cena!

Há 2 meses

BuzzShe

O Rap é uma das formas de expressão musical que mais dá voz a um povo que é, muitas vezes, esquecido pela sociedade. Durante décadas, o estilo foi marginalizado e colocado em um lugar subalterno na música. Mas, graças a grandes nomes da cena, essa imagem foi sendo mudada.

Para você ter uma ideia, o livro "Sobrevivendo ao Inferno" do grupo Racionais é uma das leituras obrigatórias da UNICAMP. O rap traçou um longo caminho para chegar até o posto de destaque onde está hoje. Não podemos esquecer que, além dos nomes masculinos conhecidos, muita mina dava a cara a tapa para defender nossa cultura. Elas ainda não têm todo reconhecimento que merecem, o machismo ainda é um grande problema social e "breca" as minas de chegarem a lugares de destaque. Querendo mudar essa visão, separamos algumas minas que estão dando o nome na cena e mostrando que o rap também é lugar de mulher.

Souto MC

Caroline Souto vem mostrando que tem muito o que dizer e que vale muito ouvi-la. Além disso, essa mulher tem uma habilidade surreal pra fazer letras pesadas. Assim como ela diz em Psicosouto: "Souto no mic, cada rima é uma rajada".

Souto é uma mulher indígena e canta sobre suas origens em "Ritual", seu trabalho de 2020. No dia 06 de agosto ela lançou "Além de Março", e mais uma vez quebrou tudo. Portanto, fica a dica pra você ouvir toda a discografia dela, onde tem muita coisa massa - seja sozinha ou nos feats que já rolaram com Emicida, Rap Pluz Size, Poetisas no Topo e mais.

Publicidade

Tasha & Tracie

A gente já vem falando das gêmeas Tasha e Tracie faz um tempo. Elas já foram apontadas como o "futuro do rap" e consolidam sua importância na cena a cada single lançado. Quem não ficou de cara com a pesadíssima "Cachorraz Kamikaze", ou não entendeu nada ou morreu por dentro.

O último lançamento da dupla é "SUV", lançado em 29 de julho, e mantém o padrão de peso. Ah, se quiser saber mais sobre o corre das duas, veja o episódio 3 da série "A Voz Delas", produzida pelo BuzzFeed em 2020. Você vai descobrir que, além de rap, elas fazem muuuita coisa massa.

Clara Lima

Ela tem só 21 anos, mas já é dona de uma carreira longa no rap. Começou aos 15 após se destacar nas batalhas de rima, e foi integrante da DV TRIBO ao lado de Djonga, Fabrício FBC, Hot e Oreia.

Já em carreira solo, ela tem três discos lançados: "Transgressão" (2017), "Selfie" (2019) e o mais recente, "Só Sei Falar de Amor", de fevereiro de 2021, onde ela deixa aflorar seu lado mais romântico.

Clara é uma mulher preta, lésbica e periférica. Devido a sua trajetória no rap, em julho ela foi escolhida para ser jurada do Red Bull FrancaMente 2021, evento que reúne MCs de todo o país para competirem em duelos. Ah, e ela também e fez um dos maiores hits sapatônicos do rap em Batom Vermelho.

Publicidade

Budah

E se a ideia é ouvir algo mais suave, você precisa conhecer a Budah. A capixaba faz um R&B delicioso com a voz suave de uma anja.

Em Licor, de 2019, ela conquistou meu coração. No último single, "Quero Mais", lançado em julho deste ano, não foi diferente. Ela também tem brilhado em parcerias como as com Djonga e Poesia Acústica. Apenas: conheça Budah.

Cristal

Cristal é uma rapper do Rio Grande do Sul que, apesar da pouca idade, já fez muita coisa massa. Aos 18 anos recém completos, coleciona feitos e vai construindo uma carreira sólida. Ela começou a rimar nos slams, lançou o livro de poesias “Quando o Caso Escurece”, já deu palestra no "TEDX Laçador 2019" e foi até convidada pra gravar com Djonga.

Em julho lançou o EP "Quartzo" que possui sete faixas e todas ganharam vídeos. É pra ouvir e ver. Ah, e se você ama "Um Maluco no Pedaço", vai curtir o clipe de "Ashley Banks".

Publicidade

Ebony

Eleita como "Revelação do Rap" pela Genius em 2019, a carioca Ebony vem traçando um caminho muito foda de acompanhar no rap nacional.

Seu primeiro single solo, "Bratz", foi lançado em 2019 e colocou a artista em evidência no cenário do rap. Desde então ela vem entregando músicas perfeitas e conquistando uma legião de fãs (me incluo nesta lista, rs) a cada ano. Na minha opinião, "Condessa", seu EP de estreia, é um dos melhores do rap nacional e conta com feats de Yunk Vino e Sidoka.

Joy Sales

"Dicção" é o som de Joy Sales, que além de bom de ouvir, ainda tem um clipe lindo!

Conheci por acaso, quando a Nerie Bento, pesquisadora de cultura Hip Hop, Supervisora de Comunicação no Centro Cultural São Paulo (CCSP) e Assessora de Imprensa e Produtora Cultural recomendou o som em um tuite. Valeu demais. Todo o EP "BAM" é muito massa. Joy tem também "Força de Dandara", igualmente foda.

Publicidade

Agora você não tem mais desculpas para não acompanhar e dar stream nessas minas FODAS. Consumam, protejam e respeitem as minas!

Veja também