Meu lado submissa falando (quarto fragmento inédito)

Hoje, a bonita fala de higiene nos programas e transas casuais, além de contar um pouquinho das suas fantasias.

Ouça aqui:

Reprodução

Nem tô te contado tudo do marido dela, senão quem ia surtar é não só a esposa, mas ó quem também. Si, si. Güenta, güenta, sei, falar todo mundo fala, mas tá na minha pele, ma belle, aí é que eu queria ver. Você, sendo travesti e ainda puta, é cada coisa que me descobre, é como se bem ali na sua fuça fossem ficando nuinhos não só o corpo desses lixos, mas ainda a alma, a alma ainda mais que o corpo, aliás. E só você vendo, eles não, eles sem noção nenhuma do que que tão mostrando. Aí cabe a pergunta: tem como querer continuar sendo da espécie humana depois de todo esse filme de horror que, diariamente, a gente é obrigada a assistir? Eu ia preferir ser bicho, mil vezes bicho a saber tuto qüelo que ôdi io só. Purtropo, isso non é possível. Bichinhos, com eles eu me dou tão bem, nem sei qual que eu queria ser, qual seria mais a minha cara. Uma felina, talvez? A onça dos cinquenta arôs? E o da nota de cem, o nome é, como é que é mesmo? X'eu ver se tenho uma aqui. Ops, e não é que eu tenho, mais de uma até! Pexinho feio, ein? Garoupa, tá escrito embaixo. Feio mas vale pencas, a cara das conas, não fossem elas tão penosas. Dessas penosas, então, tô farta. Agora, das garoupinhas de papel, quero é um aquário cheio, transbordante, um criadouro delas todinho meu, imagina? Nossa, como eu viajo fácil! Terra, Terra, chamando, alô, alô, é a Simona quem fala? A própia. Pronto, voltei, pés no chão. A mapô que eu tava te contando, certo? Bom, daí que essa amapô tendo um maridão desses, boca de bueiro e cê já entendeu que é literalmente que eu falo, sujo, sujo, mariconona da mais nojenta, ela vai sentir nojo é justo de mim? Uó, eu é que mereço isso não. A boca limpinha que eu tenho, dente tudo escovado, fio dental. Já chupei neca que só Jesus, aquela gorgonzola suíça podre (um cliente disse que tem até nome isso inglês, cóqui tchísi eu acho, os americanos são os piores), mas isso foi eras atrás, tapava o nariz e ia. Sentia um certo prazer, confesso, o lado submissa falando. Ocó abusado, mandão, adóóuro, desses pra me pôr linda no meu lugar. Alibã, ixe!, se fosse ele ainda... eu ali de joelho, só esperando a ordem, e quanto mais humilhada, mais doida da periquita eu ficava. Limpá o pau sujo, aquela surra de neca na cara, garganta profunda, nem respirar direito eu podendo, aí engasgar com a porra, ele gozando sem avisar e, a glória, eu saindo do motel completamente arrombada... batimento, ó, tuc tuc tuc, até acelera lembrando. Os humilhados serão exaltados, não é o que dizem? O ruim é eu ficar didê e eles verem nisso um convite, aí virem pra cima aqui da minha neca e, fiuuu!, a hora justinha que o tesão acaba. A cara deles de ué é impagável. Ué, pois é. Uó, isso sim. Deus, Deus, por que me fizésteis mulher, se parásteis de fabricar homens? Quem que me aguenta, diz, diz! Mas a vida ensina. Hoje, no carro, se for vício, o quéti é só se deixar eu dar a esfregadinha do truque antes, na roupa dele, claro, cueca, bermuda, blusa, pode escolher, e se nem assim tiver dando, ainda gritando o rio Tietê, aí, mi dispiace, vai ter que ser, então, no guanto. Não sendo vício, aí é guanto direto, deixo nem insistirem. Motel devia ser melhor, só mandar pro chuveiro, mas cê acha que eles vão? Quem dera fosse cosi fácile. Cheiro de sabonete estranho, a esposa ia desconfiar, alegam, mas eneaotil, bato o pé, pelo menos a neca, na pia ali rapidex, vam', vam', neca é que elas não me vão cheirar, tô errada? As esposas tão é ligadas na podridão, nem ousam, acho até que agradecem se as teteias chegam em casa com seu banhinho tomado. Agradecem a nós, as benditas putas, agradecem com raiva, mas agradecem, porque dês do berço aprenderam a odiar a raça das profissionais do sexo, mas, também, mó cota que elas desistiram desses lixos que chamaram de marido um dia. 

Publicidade

Pra quem perdeu os outros fragmentos:

- Primeiro fragmento: "Travesti tomando tê"

- Segundo fragmento: "Golden shower"

- Terceiro fragmento: "Travesti Radioativa"

Veja também