Há muitas coisas estranhas no vídeo do Reclame Aqui

Será que é mesmo tudo verdade?

Você deve ter visto nos últimos dias este vídeo do Reclame Aqui, compartilhado mais de 300 mil vezes no Facebook, chamado "Jantar da Vingança".

Nele, o Reclame Aqui diz ter convidado executivos de empresas com altos números de reclamações no site para um jantar, e ter feito com que o atendimento a eles fosse péssimo.

“Fizemos eles provarem do seu próprio veneno”, postou a página do serviço no Facebook. Os executivos são identificados no vídeo como sendo de uma empresa de telefonia, de uma empresa de e-commerce e de uma empresa de logística.

Publicidade

Mas será que o que acontece no vídeo é mesmo verdade?

O Reclame Aqui afirmou ao BuzzFeed Brasil que a ação foi "100% real". No Facebook, a empresa vem dizendo o mesmo aos desconfiados.

Publicidade

Mas faltam detalhes sobre o vídeo, como quais foram as empresas convidadas ou onde a ação foi gravada.

É tudo muito genérico.

Ao BuzzFeed Brasil, o Reclame Aqui disse que o vídeo "foi gravado em restaurantes diferentes" para não comprometer a identidade dos envolvidos. Mas o vídeo inteiro parece se passar em um mesmo lugar.

Até a mesa parece ter sido a mesma para os três. Repare na posição dos quadros na parede, por exemplo.

Publicidade

A partir do cruzamento dos números de reclamações no Reclame Aqui e dos mostrados no vídeo, esta pessoa fez um levantamento das prováveis empresas convidadas: Oi, Mercado Livre e Correios.

Os números são reais, segundo o Reclame Aqui. Mas, estranhamente, o serviço diz que eles "não são necessariamente do executivo apresentado no vídeo".

É "para preservar a imagem dos executivos", diz o Reclame Aqui, que não confirma o nome de nenhuma das empresas participantes do suposto jantar.

Publicidade

E mais: se a ação for verdadeira, não é ilegal registrar e divulgar imagens e diálogos?

Para Artur Carrijo, sócio do escritório Torreão Braz Advogados, o cenário é nebuloso. "Eles tiveram o cuidado de não citar nomes e nem mostrar rostos, mas por outro lado gravaram as conversas", diz.

"Sabemos que quem processá-los acabará vestindo a carapuça", diz o advogado.

"O Reclame Aqui pode ser exposto a diversas ações que podem envolver tirar a campanha do ar. Mas para configurar dano moral, tem que ser demonstrado que o evento causou profundo abalo ao indivíduo ou à sua imagem. Não havendo divulgação da identidade, tudo isso fica mais nebuloso, pois ninguém tem conhecimento de quais executivos eram e de quais empresas", completa Carrijo.

Publicidade

Veja também:

Afinal, as petições da Avaaz funcionam na vida real?

Veja também