Diego Maradona, lenda do futebol, morre aos 60 anos

Maradona, um dos jogadores mais brilhantes e controversos do esporte, passou por uma cirurgia no cérebro há apenas duas semanas.

Há 5 meses

Natacha Pisarenko / AP

Nesta foto de 7 de março, Diego Maradona aparece sentado no banco de reservas antes de uma partida do campeonato argentino contra o Boca Juniors no estádio La Bombonera em Buenos Aires, Argentina.

O craque argentino Diego Maradona, um dos jogadores mais brilhantes e controversos do esporte, morreu aos 60 anos.

No início deste mês, Maradona passou por uma cirurgia para remover um coágulo de sangue em seu cérebro e depois de receber alta foi levado a uma clínica de reabilitação para tratamento contra o alcoolismo.

A Associação Argentina de Futebol (AFA) confirmou a morte de Maradona, comunicando que "expressa profundas condolências pelo falecimento de nossa lenda, Diego Armando Maradona".

Maradona, que tinha outros sete irmãos, saiu de uma das comunidades mais pobres na América do Sul para tornar-se o maior talento do futebol de sua geração e, em quase todos os comparativos, um dos dois ou três maiores jogadores de futebol da história.

Publicidade

Horacio Villalobos / Getty Images

O craque argentino Diego Maradona ergue o troféu após a Argentina ser coroada campeã na Copa do Mundo de 1986 no estádio Azteca, na Cidade do México.

Ele levou a Argentina a um título no Mundial Sub-20 com apenas 18 anos de idade e jogou em quatro Copas do Mundo, incluindo a edição de 1986 no México.

Diego, como era conhecido por milhões de fãs no mundo todo, foi o grande astro do título de seu país naquele torneio – com destaque especial para a vitória sobre a Inglaterra nas quartas de final, quando marcou dois dos gols mais famosos da história do futebol.

O segundo, uma impressionante exibição de suas habilidades na qual ele driblou quase toda a seleção da Inglaterra antes de estufar a rede com seu confiável pé esquerdo, é considerado por muitos o gol mais bonito da história.

Mas foi o seu primeiro gol naquela partida – talvez mais do que qualquer outro feito em sua carreira – que ajudou a consagrar Maradona no firmamento do esporte.

Pulando mais alto do que o goleiro inglês – bem maior do que ele – em uma bola cruzada na pequena área, Maradona ergueu seu punho esquerdo e mandou a bola para as redes, violando as regras do esporte.

Após a partida, vencida pela Argentina por 2 a 1, os repórteres perguntaram a Maradona se ele havia colocado a mão na bola.

"Foi um pouco com a cabeça e um pouco com a mão de Deus." Até hoje, o gol – venerado na Argentina e desprezado na Inglaterra – é conhecido como a Mão de Deus.

Maradona jogou profissionalmente na Argentina, Espanha e Itália, alcançando a marca de 312 gols por clubes – além dos 91 marcados com a camisa de sua seleção.

Um craque que se destacava por onde jogava, ele conquistou sua maior glória no Napoli, time de Nápoles, levando o clube ao seu primeiro título italiano em 1987 e conquistando um segundo título em 1990.

As vitórias tornaram Maradona um herói em Nápoles – ele é tão venerado na cidade do sul da Itália quanto em seu lar em Buenos Aires. Mas seu período em Nápoles também resultou em escândalos públicos, à medida que Maradona passou a relacionar-se tanto com a máfia italiana quanto com a cocaína, duas conexões reprováveis que alterariam o curso de sua vida.

Como detalhado no documentário "Diego Maradona", de 2019, o argentino teve um filho fora do casamento em Nápoles, enfrentou problemas com seu time por faltar aos treinos e caiu em desgraça com a torcida local após a Argentina eliminar a Itália da Copa do Mundo de 1990 no próprio estádio do Napoli, o estádio San Paolo.

Após ser derrotada pela Alemanha nos pênaltis na final daquela Copa do Mundo, a Argentina era considerada uma das favoritas para o próximo torneio, em 1994. Mas após a segunda partida da sua seleção, Maradona foi expulso da competição por testar positivo para efedrina, uma substância proibida. Ele nunca mais jogaria em outra Copa do Mundo e sua carreira nos gramados chegaria ao fim quatro anos mais tarde.

Desde então, Maradona passou a atuar como técnico, comandando a equipe argentina do Gimnasia y Esgrima desde 2019.

Este post foi traduzido do inglês.

Publicidade