Crítica: 'Falas de Orgulho' é uma grande celebração de afetos LGBTs

Assistimos antes ao especial que a Globo exibe na noite desta segunda-feira (28).

A Globo exibe na noite desta segunda-feira (28) o especial "Falas de Orgulho", em homenagem ao Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+. E a gente assistiu antes para te contar tudo.

Richard
Richard

Divulgação/Globo

O programa acompanha várias pessoas representantes de letras da sigla LGBTQIA+. Entre elas, está Richard, homem trans, que relata boa parte de sua jornada de aceitação. À espera de sua cirurgia de mastectomia pelo SUS, o rapaz recebeu uma linda homenagem dos homens da família: todos passaram a usar adesivos no peito quando sem camisa, para que ele fique confortável.

Richard levanta um ponto importante: foi por meio da televisão, mais especificamente por meio de Ivan, personagem de Carol Duarte em "A Força do Querer", que ele teve melhor entendimento de sua trajetória. Representatividade importa.

Assim, como Richard, Ariadne é parte da população trans. Hoje, integra um cargo de confiança na UNAIDS, órgão da ONU, mas teve de enfrentar muitas dificuldades até fazer seu mestrado e doutorado. Quando criança, via os colegas jogarem ovos em travestis. Ali, entendeu que, no momento em que se afirmasse no mundo, passaria também a ser alvo.

O que as histórias de Richard e Ariadne mostram é que as dificuldades são muitas, mas viver a vida como se deseja, livre de julgamentos e com apoio dos mais próximos é fundamental.

"Falas de Orgulho" acerta ao contar histórias felizes, sem fazer sensacionalismo em cima de sofrimento.

Um ponto importante levantado pelo especial é: aliados são importantes.

Sasha Zimmer
Sasha Zimmer

Divulgação/Globo

É na construção de afetos e na rede de proteção que LGBTs encontram acolhimento. Fábio dos Santos, conhecido na noite paulistana como a bafônica drag Sasha Zimmer, tem pouco contato com parte de sua família. Isso não o impediu de formar a própria e entrou para o clã de Ikaro Kadoshi, referência drag, que, aliás, tem um discurso importantíssimo na atração.

Ao longo de todo o programa, vemos melhores amigos, irmãos, filhos e mães ressaltando a importância de estar ao lado de quem se ama em momentos difíceis.

"Falas de Orgulho" também acerta ao desconstruir papéis pré-estabelecidos. Mário Leony, por exemplo, é delegado e homossexual. Mesmo sendo uma autoridade da polícia, ele ainda teme os julgamentos caso decida andar de mãos dadas com o marido.

Publicidade

Há também espaço para celebrar o amor.

Divulgação/Globo

Aos 69 anos, a enfermeira aposentada Ângela faz planos de se casar com Willman, sua companheira há 26 anos, assim que a pandemia acabar. E é uma lindeza ver o quanto o amor é uma força de resistência a toda e qualquer intempérie.

Há ainda relatos de dois bissexuais, de uma mulher lésbica - e mãe do garoto mais fofo do mundo! - e, no final, breves depoimentos de pessoas queer, assexuais e intersexo. Nesse ponto, o especial peca. Por falta de tempo, não se aprofunda em temas importantes e de menor visibilidade.

Ainda assim, é uma grande vitória ver praticamente todo o espectro LGBTQIA+ representado em horário nobre na tela da Globo.

Se ainda assim você precisa de mais um motivo para assistir, a gente te dá: tem uma apresentação BAFO de Johnny Hooker, Majur e Pabllo Vittar.

Pabllo Vittar, Majur e Johnny Hooker
Pabllo Vittar, Majur e Johnny Hooker

Divulgação/Globo

Os três cantam "Flutua", que faz parte do repertório de Johnny Hooker, e te adianto: impossível não se emocionar. É para deixar qualquer um NO CHÃO de tão linda essa performance.

Fica a dica! ;)

Publicidade

Veja também