Aqui estão alguns dos maiores babados da história do Oscar

Gente correndo pelada pelo palco, uma Branca de Neve desafinada e a ameaça de processinho pela Disney.

1. Você deve lembrar que, em 2017, o Oscar de melhor filme foi anunciado para o filme ERRADO.

Kevin Winter / Getty Images

Em 2017, a atriz Faye Dunaway anunciou o prêmio de melhor filme para o filme errado. Ela abriu o envelope, hesitou e anunciou "La La Land". Com toda a equipe do musical já no palco, perceberam o erro e chamaram o vencedor real: "Moonlight".

2. Mas o histórico de bafões envolvendo o Oscar vem de longe. Em 1940, o jornal "L.A. Times" simplesmente PUBLICOU A LISTA DE VENCEDORES antes da cerimônia.

Reprodução

Até aquele ano, a Academia informava aos jornais quais seriam os ganhadores – com o combinado de não publicarem até depois da cerimônia. Depois que o L.A. Times TOCOU O FODA-SE, a Academia criou o sistema de envelopes sigilosos.

Publicidade

3. Em 1971, George C. Scott mandou um telegrama pra Academia dizendo "nem vem". E foi premiado mesmo assim.

Reprodução

O ator já tinha deixado claro sua indisposição com a Academia ao tentar escapar da indicação por coadjuvante por "Desafio à Corrupção", em 1962. Em 1971, ele mandou um telegrama para a Academia se recusando TERMINANTEMENTE a participar do prêmio por "Patton – Rebelde ou Herói?", porque sentia que atuar não era uma competição. Mesmo assim, a Academia não só o indicou, como também premiou à revelia.

4. Ainda por cima, a Goldie Hawn foi quem apresentou o prêmio – e como todo mundo sabia que George tinha mandado a Academia às favas, ela fez essa cara e soltou um "ai meu Deus" ao abrir o envelope e se deparar com o nome dele lá.

Dá para ver o momento climão neste vídeo aqui. Vale lembrar que, no exato momento em que a Goldie Hawn abria esse envelope em Los Angeles, o George C. Scott tava de boas dormindo na fazenda dele no estado de Nova York, do outro lado dos EUA (tem mais sobre essa história aqui – em inglês).

Publicidade

5. Em 1973, o Marlon Brando mandou uma ativista indígena receber o Oscar no lugar dele.

Hulton Archive / Getty Images

Na hora de o Marlon Brando pegar o prêmio por "O Poderoso Chefão", subiu ao palco a ativista e atriz Maria Cruz, na pele de Sacheen Littlefeather, e mandou um textão sobre a representatividade indígena no cinema. Foi um bafo – interromperam a mulher, mas na coletiva de imprensa ela divulgou seu texto na íntegra e ele ganhou todos os jornais e revistas da época.

6. Em 1974, um homem COMPLETAMENTE NU invadiu o palco no meio da transmissão ao vivo.

Robert Opel era um professor, fotógrafo e ativista da causa gay que já tinha feito outros protestos do tipo. Ele se disfarçou de jornalista e, na hora H, arrancou tudo e passou correndo pelo palco, fazendo um sinal de paz e amor. Alçado à fama, Robert depois se mudou para São Francisco, onde abriu um estúdio e foi um dos primeiros apoiadores de Robert Mapplethorpe. Poucos anos mais tarde, morreu tragicamente, durante um assalto ao seu estúdio – e em 2011 seu sobrinho lançou um documentário sobre a vida do tio (veja o trailer de "Uncle Bob" aqui).

Publicidade

Este momento merece mais uma foto.

Hulton Archive / Getty Images

7. Em 2013, a Jennifer Lawrence tropicou no próprio vestido, de tanta emoção, ao subir no palco para receber o Oscar de atriz.

Kevin Winter / Getty Images

J-Law foi premiada pela atuação em "O Lado Bom da Vida" e se divertiu à beça na cerimônia.

Aliás, ela se divertiu como nunca nesse Oscar.

Jason Merritt / Getty Images

Eu faria o mesmo.

8. Em 2014, a Ellen fez uma selfie "espontânea" para a Samsung – mas nos bastidores continuou usando seu iPhone.

Durante a cerimônia, a Ellen juntou uns 200 trilhões em cachês numa mesma selfie aparentemente espontânea. Depois ficou público que o ato foi um ad da Samsung para promover o celular da marca. Mas, poucas horas depois, Ellen já estava usando seu celular de preferência: o iPhone mesmo.

9. Em 2005, o cantor e compositor Jorge Drexler riu por último depois de ter seu show vetado pela produção do prêmio.

Frank Micelotta / Getty Images

"Al Otro Lado Del Rio", música de Jorge Drexler para "Diários de Motocicleta", concorria ao Oscar de melhor canção – mas Jorge foi proibido de interpretá-la porque a produção do prêmio, que queria latinos mais conhecidos do público norte-americano, meteu Antonio Banderas e Santana para cantar. Mas Deus às vezes é justo (embora não tenha sido com a Fernanda Montenegro e a Gwyneth Paltrow naquela palhaçada em 1999, Ele bem sabe), e Jorge ganhou. Nisso, em vez de fazer discurso de agradecimento, ele cantou os versos da canção.

10. Em 1988, Cher agradeceu até seu cabeleireiro no discurso – e esqueceu de citar o diretor e o roteirista de "Feitiço da Lua".

Reprodução

Diva demais, ela ganhou o prêmio de melhor atriz e ficou tão emocionada que agradeceu o cabeleireiro, o maquiador, as mulheres que já haviam ganhado o prêmio antes dela – e esqueceu por completo de mencionar o diretor e o roteirista do filme (maravilhoso, por sinal). Depois ela pediu desculpas publicamente.

11. Em 1989, um número BIZARRO de abertura usou uma atriz vestida de Branca de Neve, fez com que a Academia tivesse que se desculpar publicamente com a Disney pelo uso da personagem e acabou com a carreira do produtor da cerimônia.

Foram 11 longos minutos em que uma atriz vestida de Branca de Neve cantava, dançava e fazia piadas. Em dado ponto, a apresentação virava um dueto fora do tom com o Rob Lowe. Esse foi o ato de abertura da premiação de 1989 – um troço tão ruim que o produtor, que inclusive tinha feito "Grease – Nos Tempos da Brilhantina", nunca mais arrumou trabalho. Como se não bastasse, a Disney notificou judicialmente a Academia, por não ter dado autorização para o uso da imagem da personagem. Assista aqui.