Aqui estão alguns dos maiores babados da história do Oscar

Gente correndo pelada pelo palco, uma Branca de Neve desafinada e a ameaça de processinho pela Disney.

1. Você deve lembrar que, em 2017, o Oscar de melhor filme foi anunciado para o filme ERRADO.

Kevin Winter / Getty Images

Em 2017, a atriz Faye Dunaway anunciou o prêmio de melhor filme para o filme errado. Ela abriu o envelope, hesitou e anunciou "La La Land". Com toda a equipe do musical já no palco, perceberam o erro e chamaram o vencedor real: "Moonlight".

2. Mas o histórico de bafões envolvendo o Oscar vem de longe. Em 1940, o jornal "L.A. Times" simplesmente PUBLICOU A LISTA DE VENCEDORES antes da cerimônia.

Reprodução

Até aquele ano, a Academia informava aos jornais quais seriam os ganhadores – com o combinado de não publicarem até depois da cerimônia. Depois que o L.A. Times TOCOU O FODA-SE, a Academia criou o sistema de envelopes sigilosos.

Publicidade

3. Em 1971, George C. Scott mandou um telegrama pra Academia dizendo "nem vem". E foi premiado mesmo assim.

Reprodução

O ator já tinha deixado claro sua indisposição com a Academia ao tentar escapar da indicação por coadjuvante por "Desafio à Corrupção", em 1962. Em 1971, ele mandou um telegrama para a Academia se recusando TERMINANTEMENTE a participar do prêmio por "Patton – Rebelde ou Herói?", porque sentia que atuar não era uma competição. Mesmo assim, a Academia não só o indicou, como também premiou à revelia.

4. Ainda por cima, a Goldie Hawn foi quem apresentou o prêmio – e como todo mundo sabia que George tinha mandado a Academia às favas, ela fez essa cara e soltou um "ai meu Deus" ao abrir o envelope e se deparar com o nome dele lá.

Dá para ver o momento climão neste vídeo aqui. Vale lembrar que, no exato momento em que a Goldie Hawn abria esse envelope em Los Angeles, o George C. Scott tava de boas dormindo na fazenda dele no estado de Nova York, do outro lado dos EUA (tem mais sobre essa história aqui – em inglês).

Publicidade

5. Em 1973, o Marlon Brando mandou uma ativista indígena receber o Oscar no lugar dele.

Hulton Archive / Getty Images

Na hora de o Marlon Brando pegar o prêmio por "O Poderoso Chefão", subiu ao palco a ativista e atriz Maria Cruz, na pele de Sacheen Littlefeather, e mandou um textão sobre a representatividade indígena no cinema. Foi um bafo – interromperam a mulher, mas na coletiva de imprensa ela divulgou seu texto na íntegra e ele ganhou todos os jornais e revistas da época.

6. Em 1974, um homem COMPLETAMENTE NU invadiu o palco no meio da transmissão ao vivo.

Robert Opel era um professor, fotógrafo e ativista da causa gay que já tinha feito outros protestos do tipo. Ele se disfarçou de jornalista e, na hora H, arrancou tudo e passou correndo pelo palco, fazendo um sinal de paz e amor. Alçado à fama, Robert depois se mudou para São Francisco, onde abriu um estúdio e foi um dos primeiros apoiadores de Robert Mapplethorpe. Poucos anos mais tarde, morreu tragicamente, durante um assalto ao seu estúdio – e em 2011 seu sobrinho lançou um documentário sobre a vida do tio (veja o trailer de "Uncle Bob" aqui).

Publicidade

Este momento merece mais uma foto.

Hulton Archive / Getty Images

7. Em 2013, a Jennifer Lawrence tropicou no próprio vestido, de tanta emoção, ao subir no palco para receber o Oscar de atriz.

Kevin Winter / Getty Images

J-Law foi premiada pela atuação em "O Lado Bom da Vida" e se divertiu à beça na cerimônia.

Publicidade

Aliás, ela se divertiu como nunca nesse Oscar.

Jason Merritt / Getty Images

Eu faria o mesmo.

8. Em 2014, a Ellen fez uma selfie "espontânea" para a Samsung – mas nos bastidores continuou usando seu iPhone.

Durante a cerimônia, a Ellen juntou uns 200 trilhões em cachês numa mesma selfie aparentemente espontânea. Depois ficou público que o ato foi um ad da Samsung para promover o celular da marca. Mas, poucas horas depois, Ellen já estava usando seu celular de preferência: o iPhone mesmo.

Publicidade

9. Em 2005, o cantor e compositor Jorge Drexler riu por último depois de ter seu show vetado pela produção do prêmio.

Frank Micelotta / Getty Images

"Al Otro Lado Del Rio", música de Jorge Drexler para "Diários de Motocicleta", concorria ao Oscar de melhor canção – mas Jorge foi proibido de interpretá-la porque a produção do prêmio, que queria latinos mais conhecidos do público norte-americano, meteu Antonio Banderas e Santana para cantar. Mas Deus às vezes é justo (embora não tenha sido com a Fernanda Montenegro e a Gwyneth Paltrow naquela palhaçada em 1999, Ele bem sabe), e Jorge ganhou. Nisso, em vez de fazer discurso de agradecimento, ele cantou os versos da canção.

10. Em 1988, Cher agradeceu até seu cabeleireiro no discurso – e esqueceu de citar o diretor e o roteirista de "Feitiço da Lua".

Reprodução

Diva demais, ela ganhou o prêmio de melhor atriz e ficou tão emocionada que agradeceu o cabeleireiro, o maquiador, as mulheres que já haviam ganhado o prêmio antes dela – e esqueceu por completo de mencionar o diretor e o roteirista do filme (maravilhoso, por sinal). Depois ela pediu desculpas publicamente.

Publicidade

11. Em 1989, um número BIZARRO de abertura usou uma atriz vestida de Branca de Neve, fez com que a Academia tivesse que se desculpar publicamente com a Disney pelo uso da personagem e acabou com a carreira do produtor da cerimônia.

Foram 11 longos minutos em que uma atriz vestida de Branca de Neve cantava, dançava e fazia piadas. Em dado ponto, a apresentação virava um dueto fora do tom com o Rob Lowe. Esse foi o ato de abertura da premiação de 1989 – um troço tão ruim que o produtor, que inclusive tinha feito "Grease – Nos Tempos da Brilhantina", nunca mais arrumou trabalho. Como se não bastasse, a Disney notificou judicialmente a Academia, por não ter dado autorização para o uso da imagem da personagem. Assista aqui.

Publicidade

Veja também