Água que prédios jogam na rua pode ser aproveitada, diz Departamento de Água e Energia

Alguns edifícios na área central de SP descartam água de lençóis freáticos.

Em tempos de crise hídrica, talvez você já tenha visto edifícios jogando água na rua e se perguntado se não dá para aproveitar essa água.

Reprodução/Facebook

Em São Paulo, diversos edifícios na rua Frei Caneca, região central da cidade, foram construídos em cima de lençóis freáticos e minas d'água.

Via Google Earth

Rua Frei Caneca, no centro de São Paulo

Publicidade

Algumas pessoas têm divulgado vídeos no Facebook e no Twitter chamando atenção para o desperdício.

Reprodução/YouTube

Para evitar o alagamento de garagens e andares inferiores, a administração dos edifícios costuma bombear a água, muitas vezes, para a rua. A história já tem anos, mas não foi resolvida até hoje.

Veja um dos vídeos do desperdício aqui.

O Daee (Departamento de Água e Energia Elétrica) explicou ao BuzzFeed Brasil que "os edifícios mais recentes lançam essa água na galeria de águas pluviais, mas os mais antigos lançam essa água na rua".

Quando dispensada na rua, a água entra no bueiro mais próximo e vai parar no poluído rio Tietê, cujas águas não podem ser aproveitadas.

Publicidade

Afinal, dá para usar essa água?

lorenzoantonucci

Dá sim.

Não há lei que proíba a dispensa da água. Mas para utilizá-la é preciso autorização do Daee. Se você mora em algum prédio que descarta água e quer saber o que fazer, o site do Departamento tem os passos a serem seguidos para obter a autorização, seja para consumo ou para ao menos regar as plantas e lavar garagens.

"Os pedidos são analisados caso a caso, levando-se em conta as especificidades do uso e da finalidade da demanda", diz o Daee.

O Departamento disse ao BuzzFeed Brasil que não há um plano especial para acelerar a emissão das autorizações por causa da crise hídrica. "A operação é padrão, não tem como acelerar a análise".

Veja também:

Esta foto resume o absurdo da crise da água em São Paulo

"Êxodo de SP por causa da crise da água é distante da realidade", diz especialista

Veja também