A imprensa não consegue chamar o feminicídio pelo que ele realmente é

Quem lê as manchetes pode pensar até que as mulheres morreram acidentalmente.

Há 3 anos

BuzzShe

No mês passado (27), mais um caso no qual o marido assassinou a mulher saiu na imprensa com uma manchete que parecia estar falando de uma situação completamente diferente.

Reprodução / Via g1.globo.com

A taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo – portanto, infelizmente, notícias de mulheres assassinadas pelos parceiros estão toda hora na mídia. Mas quem lê as manchetes talvez não perceba a dimensão do problema.

Reprodução

Publicidade

Quem ler esta, por exemplo, pode pensar até que foi ACIDENTE.

Reprodução

Valéria foi asfixiada pelo namorado, que depois enterrou o corpo, após uma briga por ela ter olhado o celular dele.

Em cada manchete tem algo que tenta mascarar a natureza real desse crime. Por exemplo, o que a palavra "apaixonado" está fazendo aqui?

Reprodução

Ninguém estupra e mata "por amor".

Publicidade

Mesmo quando o crime é reportado com clareza, as manchetes parecem ter receio de dizer que o assassino foi o parceiro amoroso da vítima.

Reorodução / Via noticias.uol.com.br

Publicidade

Quem ler isso aqui vai achar que foi bala perdida: ela foi "atingida por um disparo no rosto" DISPARADO PELO NAMORADO.

Reprodução

O homem pegou uma arma, apontou e atirou no rosto da própria namorada.

Esta manchete chama o feminicídio de "doença urbana" de tanto que é comum, mas comete a imensa mancada de chamar de "passionalismo", associando com paixão.

Reprodução / Via Twitter: @RevistaISTOE

Publicidade

E esta manchete chega a dizer que o assassino é o WhatsApp para não ter que dizer que um homem matou a própria namorada.

Reprodução

Publicidade

Veja também:

Aqui estão 7 homens que agrediram mulheres e seguiram com suas carreiras normalmente

Escrito por Aline Ramos • há 4 anos

A chamada do jornal no aniversário da Lei Maria da Penha mostrou como ainda falta muito no combate à violência

Escrito por Juliana Kataoka • há 3 anos

O caso da Tatiane fez as pessoas lembrarem como é importante "meter a colher" em briga de casal

Escrito por Davi Rocha • há 3 anos

Veja também