A história sobre o corte de cabelo do Uendel vai te curar do Brasil

"Eu acabei de sair de uma esquete do Porta dos Fundos. Não é possível".

bonetta / Getty

Uendel Nunes é um jovem publicitário que mora em Salvador (BA), e ele só queria cortar o cabelo. Mas a tarefa, que já é hercúlea para a maioria de nós, pra ele foi ainda mais difícil.

O boy entrou no cabeleireiro e saiu de lá com a melhor história que essa pátria amada idolatrada salve salve poderia nos presentear. Tento que até nos fez esquecer da dor que é ser tupiniquim hoje em dia.

Publicidade

Como só o áudio não é o suficiente para esta obra, transcrevemos todo o diálogo para que ele sobreviva a um hecatombe das caixas de som, se necessário.

"

Eu tava entrando na barbearia, né?

Aí entrou um cara na minha frente.

Ele abriu a porta e eu entrei logo em seguida. 

Dei boa tarde e falei "Opa, mano! Fulano… [fulano é que corta meu cabelo] … Fulano tá? não tá, né?"

Aí ele não, não, e nem sei que horas ele volta.

Aí falei "poxa".

Ele: "Por que? Cê vai cortar o cabelo?

Falei "É".

Ele: "Não, pô, pode sentar!". 

Aí eu fui, ajustei minha mochila, e sentei na cadeira. 

Ele "Pô, qual corte, qual pente, não sei o que… ". Falei "Pô, quero, assim, um baixão do lado e pan, não sei o que! Se pá que nem o seu!

[Cara, o dele muito bonito assim de cortado]

Ele falou "ah, americano né?" Falei "É, pode ser americano. 

Ele "pode ser, beleza, um degradê, não sei o que, não sei o que".

Aí ele chegou e METEU A MÁQUINA NO MEU CABELO!!!

Ele chegou cortando meu cabelo de um jeito surreal. 

Em cinco minutos o cara tinha cortado metade da minha… do meu cabelo! 

Só não cortou a cabeça por que não como!

E aí eu fiquei espantado, né irmão. 

Fiquei calado. 

Porque eu sou ariano. Eu sou puta! 

E eu não falo nada. 

Eu fico e eu engulo. 

Aí fui deixando o cara cortar o cabelo e comecei a rir, velho.

Porque não era possível aquele negócio.

O cara tava cortando o cabelo muito mal, véi. Muito mal. 

E beleza que as pessoas cortam nesse salão, mas eu gosto de cortar com uma única pessoa… que é fulano!

Né?

Já cortei com um outro que trabalha lá, que corta legalzinho, mas eu gosto de cortar com fulano.

E aí o cara metendo a máquina no meu cabelo, velho. E aí o cara metendo a máquina no meu cabelo, velho…

E aí "Agora é hora de fazer o pé, vou tirar aqui um pouco com a tesoura…". 

Ele já tinha…  Ele já tava fazendo outra coisa. 

Não era mais o que eu pedi não. Ele tava fazendo uma coisa completamente diferente!

E aí… e aí beleza. 

Fiquei puto. Ele cortou meu cabelo todo. Me sentindo horrível!

Não tenho nem mais cara pra aparecer na… pra aparecer em lugar nenhum!

Não tenho mais cara, não tenho mais cabelo! 

Fez uma desgraça no meu cabelo: cortou os dois lados desproporcional. fez o pé mal feito, a linha muito torta! E ELE QUE SUGERIU FAZER A PORRA DA LINHA! 

E aí beleza. Pensei "Porra, eu sempre dou uma gorjeta, mas dessa vez eu não vou dar, véi. Dessa vez eu não vou dar não porque tô insatisfeito com essa porra desse corte aqui". 

E aí levantou. "Po gostou?"

"gostei, né hehehe. Legal, bacana"

E agora hora de pagar. 

Falei "vou pagar no débito". 

Aí ele "Po, mano, não precisa pagar não!".

Eu fiz "Oxente!"

Ele: "É, porque eu não trabalho aqui não". 

FOI, SAIU DA BARBEARIA E ME DEIXOU LÁ!!


"

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Veja também