7 mulheres fodas que estão fazendo Funk

O ritmo se tornou majoritariamente masculino nos últimos anos, mas estas minas estão aqui pra mudar isso.

Hoje eu quero te apresentar 7 nomes de minas que têm mudado a lógica machista do Funk. Elas resgatam o legado de Tati Quebra-Barraco e de outras lendas femininas do ritmo mais brasileiro que existe.

1. Mc Naninha.

reprodução

Da Vila Kennedy, em Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro, Naninha ficou famosa nas redes após o hit "Império Bronze". Ela também lançou o bordão "Trabalho lindo, bebê! Se dedica, fez curso e agora dá aula". Com personalidade e extroversão, Naninha conquistou vários seguidores nas redes sociais em pouco tempo e é uma das novas vozes do Funk.

Siga a Mc Naninha no Instagram.

Publicidade

2. Mc Dricka.

Reprodução/instagram

Cantora e compositora da Vila Nova Cachoeirinha, Zona Oeste de São Paulo, Dricka ficou conhecida como "Rainha dos Fluxos" por ser famosa nas festas de rua da capital. Em dezembro de 2020 lançou seu primeiro EP, "Rainha dos Fluxos", e em 2021 foi notada internacionalmente pela premiação BET Awards. Nela, a Mc foi indicada na categoria de Melhor Novo Artista Internacional e foi a única brasileira representando o Funk. Também neste ano, Dricka estampou um dos telões da famosa Times Square, em Nova York, ampliando o reconhecimento do ritmo.

Siga a Mc Dricka no Instagram.

3. LARINHX.

Reprodução/instagram

De Irajá, periferia do Rio De Janeiro, LARINHX é nova na cena e acaba de lançar seu primeiro álbum intitulado "Eu Gosto de Garotas". O disco traz recortes e vivências das mulheres negras da periferia.

Siga a LARINHX no Instagram.

Publicidade

4. MC Marie.

Reprodução

Sapatão, Mc e gostosa. É assim que Marie se define como o novo nome do Funk. Em comemoração ao Mês da Visibilidade Lésbica, a Mc acaba de lançar seu hit "Gosto Muito", onde fala sobre sua vivência sapatão e enfatiza o orgulho em amar mulheres. “Os caras quase nunca querem nos escutar, saber o que é importante pra gente, das nossas necessidades, e eu sou sapatão, não vou cantar sobre algo que não me representa. Me vi muitas vezes numa sala cheia de homens tentando falar e expressar minhas ideias e vontades sem ser ouvida, precisei insistir muito”, disse a artista. Marie também conta que produziu seu primeiro EP, lançado em agosto, todo sozinha.

Siga a Mc Marie no Instagram.

5. Mc Jhenny.

Reprodução

A Mc de Duque de caxias tem apenas 19 mas já emplacou um dos maiores hits do TikTok em 2021, intitulado "Chamo Teu Vulgo Malvadão". Jhenny conta que virou Mc por acaso, a convite de uma amiga. Hoje, vive do funk e tem apostado em letras mais "lights".

Siga Mc Jhenny no Instagram.

Publicidade

6. Mc Danny.

Reprodução

Conhecida pelo Brega Funk, a funkeira da Zona Leste de São Paulo faz sucesso no TikTok e no Instagram. Ela viralizou com o hit "Não Pode se Apaixonar", gravado em parceria com o Xandy do Aviões do Forró. Outro grande sucesso da cantora é o som "Xerecard", e o bordão chegou até a ser colocado no letreiro de um ônibus em Campinas. Recentemente, também lançou o EP "Versátil" que traz sete faixas.

Siga a Mc Danny no Instagram.

7. Baby Perigosa.

Reprodução

Aos 20 anos de idade, Baby Perigosa acredita que o Funk precisa de mais mulheres cantando sobre o próprio prazer. A sulista, que hoje vive em Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro, ficou conhecida pelo hit "Grelinho de Diamante". Baby pretende lançar seu primeiro EP ainda em 2021.

Siga a Baby Perigosa no Instagram.

Publicidade

Veja também