Super-Herói é coisa de mulher, ainda bem

Precisamos falar da força e da representação feminina no mundo dos heróis.

BuzzShe

Em um cenário predominantemente masculino na Marvel e de super heróis de forma geral, temos também mulheres incríveis. E PRECISAMOS FALAR DISSO! Elas que nem sempre aparecem com super poderes, mas liderando e desafiando as questões sociais das suas épocas e, por que não, planetas!? Aqui vão APENAS cinco nomes das personagens que merecem total destaque no MCU, pela representatividade e participação ativa nas grandes batalhas e enredos. Vale notar, que todas têm grandes jornadas de perda e sofrimento até atingirem o seu máximo, o que nem sempre vale para os heróis masculinos da Marvel.


Agente Peggy Carter

Reprodução Internet

Ela lutou contra a HYDRA e contra o machismo institucionalizado. Não abaixou a cabeça e ainda no primeiro filme do Capitão América, se mostrou pronta para o combate na linha de frente e mais preparada que o próprio Steve antes do soro. 

No MCU, foi a primeira heroína da Marvel a ter sua própria série - Agente Carter (2015). Aliás, foi a primeira heroína a ter qualquer coisa solo, o que é de uma importância e relevância incríveis! 

Sempre à frente do seu tempo e extremamente independente, a história de Peggy é a história das mulheres. Que muitas vezes têm suas glórias ocultadas por homens ( como no final da primeira temporada da série Agente Carter), mas não deixam de lutar pelos seus princípios e valores.


Publicidade

Capitã Marvel 

Reprodução Internet

No MCU ela foi logo apresentada em um filme solo, inclusive, foi o primeiro de super-herói protagonizado por uma mulher a fazer um bilhão de dólares na bilheteria. 

Interpretada pela atriz Brie Larson, que é feminista e militante ativa da causa, a Capitã Marvel é mais uma das mulheres empoderadas e poderosas da Marvel! 

Vale lembrar que Carol Danvers, nome verdadeiro da Capitã Marvel, antes mesmo de ter super poderes era uma excelente pilota da força aérea americana e mentorada por outra grande mulher - Dra. Wendy Lawson, Mar-Vell. E que ela faz TODA a diferença em Vingadores Ultimato, a começar pela cena em que salva o Homem de Ferro no espaço ( o que seria de Thanos agora sem o IronMan no caminho, né?) 

O filme solo sobre a heroína é feminista, mas sem exageros no discurso, respeitando os processos sem apelações panfletárias. 

A representação feminina em Capitã Marvel, sem sensualização da mulher, é mais um ponto positivo para a Marvel, que vem incluindo diversidade em suas produções.

Wanda, a Feiticeira Escarlate

Reprodução Internet

Sem dúvidas, uma personagem interessantemente incrível, cheia de batalhas pessoais e muito poder ~ que provoca nos fãs uma mistura de cautela e respeito.

Wanda Maximoff, perdeu os seus pais para Tony Stark ainda criança e assim, em busca de vingança, se aliou à HYDRA onde maximizou os seus poderes. Após lutar contra os Vingadores, em Era de Ultron, e sofrer com a perda do seu irmão mais novo, Wanda percebe que estava do lado errado da batalha. Nesse mesmo contexto, ela conhece Visão e inicia um romance com o guardião da Pedra da Mente. 

Como todos já sabem, ela também sofre com a morte de Visão e é aí que entra a história da série, que a consagra como Feiticeira Escarlate (WandaVision 2021). Wanda usa seus poderes para reconstruir um mundo perfeito e cheio de manipulações, tudo isso para amenizar suas dores e poder finalmente viver sua felicidade plena. Após muita dor , ela descobre seus reais super poderes mutantes e da Magia do Caos, sendo capaz de destruição quase ilimitada. 

Por isso, parece natural que a Feiticeira Escarlate se torne, durante a Fase 4 do MCU, a personagem feminina mais poderosa, ou até a personagem mais poderosa dentre todos os heróis.

Publicidade

Valquiria - Brunnhilde

Reprodução Amazon

Possivelmente a primeira personagem LGBTQIA+ do MCU ~ já que ela é bissexual nos quadrinhos, Valquíria teve sua estreia em Thor Ragnarok. Sua participação está garantida em Thor: Love and Thunder, quarto filme da franquia do herói, que tem estreia prevista para maio de 2022. Em diversas entrevistas a atriz que interpreta Valquíria, Tessa Thompson, revelou a possibilidade da sexualidade da heroína ser exibida nas telas, o que será de grande relevância para a diversidade dentro do MCU. 


A guerreira Asgardiana é a última de uma legião de mulheres poderosas, que lutavam em cavalos alados, pelo Deus Odin. Após ser a única sobrevivente de um massacre, ela se refugiou em outro planeta, onde usava sua força para atuar como caçadora de recompensas. Ela tem papel fundamental na fuga do deus Thor, que estava preso nesse mesmo planeta. E inclusive, protagoniza, ao lado dele, uma épica batalha em Asgard! 


Gamora

Reprodução Internet

Thanos destruiu o planeta onde Gamora vivia , exterminou a família dela e a adotou, ainda criança. Mesmo sendo criada para ser uma arma viva nas mãos do vilão, ela buscou redenção quando encontrou e conheceu os Guardiões da Galáxia. Com extraordinárias habilidades de luta, Gamora une suas forças com os Vingadores e tem participação no fim de Thanos.

Ela também viveu um dos momentos mais tristes da saga Vingadores no MCU. Foi quando o seu ambicioso "pai" mostra que tinha verdadeiro afeto pela filha e assim troca a vida de Gamora pela Pedra da Alma ~ a que ponto chega a ambição, né? 

A heroína cheia de personalidade, mostra seu coração bom quando salva e perdoa a irmã, Nebulosa, que sofria tortura física e psicológica nas mãos do "pai", Thanos e nutria sede de vingança por Gamora.

Publicidade

Futuro feminino no MCU

Reprodução Internet

A representação feminina promete ganhar mais força nos próximos anos na Marvel. O filme solo da Viúva Negra tem estreia prevista para julho de 2021, além de Capitã Marvel 2, previsto para novembro de 2022.

Ainda em lançamentos próximos, teremos a série da IronHeart. Uma jovem prodígio que cria a armadura mais poderosa desde o Homem de Ferro ~ inclusive ela tem tudo para substituir o herói no MCU. A heroína será interpretada por Dominique Thorne, atriz preta. E a série, exclusiva Disney +, será dirigida por uma mulher também preta: Chinaka Hodge foi a escolhida.