24 artistas do Nordeste do Brasil que vão fazer suas playlists brilharem

Não tenha dó de tacar stream nessas lendas!

Cantora e drag queen, a Potyguara Bardo, é uma artista do Rio Grande do Norte. Seu trabalho mistura ritmos como house music, reggae, lambada e letras que tratam, entre outras coisas, de folclore brasileiro.

Veja um vídeo que fizemos com ela sobre folclore brasileiro, AQUI.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

Publicidade

A baiana Larissa Luz é uma cantora, compositora e atriz. Com uma poesia certeira, seu trabalho pulsa a representatividade da mulher negra na sua voz marcante, na sua estética afrofuturista e na potência das suas perfomances corporais.

Para tacar stream nessa potência afrofuturista, acesse AQUI.

O músico e produtor baiano Faustino Beats tem um trabalho que transborda influências de estilos como rap, rock, r&b e baladas acústicas. Suas músicas falam de amor, insegurança, depressão, superação, confiança e outros temas humanos.

Para tacar stream no Faustino, acesse AQUI.

Publicidade

O grupo Luisa e os Alquimistas é da cidade de Natal, no Rio Grande do Norte. As músicas do grupo tem uma sonoridade muito autêntica, misturando influências da música jamaicana, vertentes do brega, batidões nordestinos e música latina.

Para tacar stream nessas lendas, acesse AQUI.

O Ziminino é um projeto paralelo dos músicos Ricô Santana, da "OQuadro" e Rafa Dias do "ÀTTØØXXÁ". O trabalho do duo tem uma musicalidade boa de viajar no tempo e espaço, trazendo modernidade para música baiana com letras em inglês, português, francês e beats eletrônicos mais suaves que seus outros projetos.

Para tacar stream nessas lendas, acesse AQUI.

Publicidade

Artista recifense, a Flaira Ferro é cantora, compositora e dançarina. Começou sua carreira musical seguindo um caminho mais autobiográfico e reflexivo, mas no seu disco mais recente "Virada na Jiraya" trouxe letras com temática social e uma certa agressividade, com a sonoridade mais rock e muita intensidade.

Conheça a intensidade da Flaira Ferro, AQUI.

O baiano Tiganá Santana é filósofo, músico e compõe em línguas africanas. Foi a partir do encontro da filosofia, música e de sua ancestralidade negra que nasceu o álbum "Maçalê", o primeiro disco brasileiro com composições autorais em línguas de África.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

Publicidade

Direto de Pernambuco, o Tagore tem uma energia psicodelica com músicas que se entregam sem pudor à uma experiência lisérgica musical.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

Nascida em Juazeiro, na Bahia, a Josyara é cantora, compositora e violonista. Sua voz tem grande força e sensibilidade e suas músicas conectam ritmos brasileiros de diversas regiões, principalmente do sertão, com letras sobre autoconhecimento, força, amor e identidade.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

Publicidade

A Bixarte é uma rapper travesti e paraibana. Suas músicas falam sobre a vivência das pessoas trans negras, resistência e resgate da ancestralidade, com uma sonoridade empolgante e cheia de rimas fortes.

Para tacar stream nessa lenda, clica AQUI.

O soteropolitano Giovani Cidreira é cantor, arranjador e instrumentista. Suas composições trazem a melancolia do cotidiano em letras profundas que falam sobre introspeção, amor, diálogo e sentimento. Sua musicalidade mistura batidas eletrônicas, vocais distorcidos e sonoridades de diversas localidades, como arrocha e o pagode baiano.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

Publicidade

A sergipana Isis tem um som futurista que mistura rebeldia e audácia. As letras falam de uma estética divina em torno do corpo trans, e sua sonoridade mescla ritmos brasileiros e cultura popular nordestina, sempre reforçando sua identidade.

Para tacar stream nessa bruxa cangaceira, clique AQUI.

A cantora e compositora baiana Indy Naíse, tem um repertório autoral com grandes referências da MPB, com traços de outras sonoridades como o R&B, o forró e o rap. Suas letras tem como foco a mulher negra, o racismo, o machismo e a desigualdade social.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

Publicidade

A Rachel Reis é uma nova cantora da cena baiana, nascida em Feira de Santana. Seu trabalho é uma mistura da essência da música do seu estado com referências do universo pop. Mostra personalidade no canto, na presença e nas composições que abordam dilemas amorosos contemporâneos.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

15. ENME

A Enme é uma drag queen, cantora, compositora e rapper maranhense. Ela reúne ritmos nordestinos com ragga, funk e afrohouse. Suas músicas e clipes trazem a identidade periférica e preta como força representativa da sua arte.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

Publicidade

16. Nêssa

A soteropolitana Nêssa é cantora, compositora, designer, ilustradora e um dos nomes mais frescos na música pop baiana. Seu som é influenciado pelo pagode baiano e também mistura trap, brega funk e pop.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

A banda alagoana tem uma sonoridade suave que transita entre a nova MPB e o indie-rock. Em 2020, lançou o disco de estreia "Tudo Vai Ficar Como Era Antes", recheado de tropicalismo e referências clássicas da MPB.
Para tacar stream nessas lendas, clique AQUI.

Publicidade

18. Barro

O cantor, compositor e músico pernambucano Barro tem um trabalho que sintetiza a música pop brasileira com sonoridades nordestinas e universais. Não à toa, tem um repertório com músicas cantadas em português, inglês, espanhol e italiano. Suas composições vão te levar às profundidades do amor.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

A Glue Trip é uma banda de João Pessoa, cidade que já foi considerada uma das mais criativas apostas do cenário musical nacional. Seu som mistura synth pop e psicodelia a música brasileira.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

Publicidade

O Vandal é um rapper baiano que está na cena há mais de dez anos. Em seu trabalho ele explora subgêneros como o trap, grime e o pagode baiano. Faz uma música objetiva, apaixonada e realista, e se entrega de corpo e alma nas performances ao vivo.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

21. Marsa

A banda pernambucana Marsa apresenta um balaio de sonoridades carregadas de brasilidade como forrós, sambas, baiões, choros, valsas, serestas, entre outros, tudo com tempero bem regional, além de flertar muito com uma MPB setentista.

Para tacar stream nessas lendas, clique AQUI.

Publicidade

Nascida em Fortaleza, Soledad vai da composição à interpretação, dos palcos de teatro à militância. A cantora experimenta estilos musicais distintos e traz essas influências e sonoridades com muita sutileza e elegância.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

A banda cearense Astronauta Marinho tem linhas de guitarras e synths que se complementam, criando melodias fortes e delicadas em climas minimalistas e contemplativos.

Para tacar stream nessa lenda, clique AQUI.

Publicidade

O cearense Mateus faz rock com influências dos gêneros rap, grunge, reggae e funk. Suas letras são relatos e memórias sobre perspectiva de passado-presente-futuro e movimento da juventude afroindígena favelada.

Para tacar strem nessa lenda, clique AQUI.

Colocamos todos esses artistas em uma playlist no Spotify! Você pode ouvir aqui:

Publicidade

Estes são apenas alguns talentos do Nordeste, se você acha que faltou incluir algum artista dessa região do Brasil, indique e compartilhe nos nossos comentários!

Publicidade

Veja também