10 fatos sobre a morte de Daniella Perez, que completará três décadas neste ano

Crime bárbaro será tema da série "Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez", que está disponível na HBO Max.

Quem viveu o começo dos anos 90 não esquece: a morte de Daniella Perez parou o Brasil. No dia 28 de dezembro de 1992, uma das mocinhas da novela mais popular do país foi brutalmente assassinada pelo seu parceiro de cena. O crime entrou para o imaginário popular e agora será contado em "Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez", série em cinco episódios da HBO Max, que estreia no dia 21 de julho. Olha o trailer, que forte:

(Aqui colocaremos o trailer de verdade, claro. É só para fins de visualização do post)

A gente relembra agora 10 fatos sobre o crime que foram revelados pela série.

1. Em depoimento, Raul Gazolla, marido de Daniella, afirma que o assassino, Guilherme de Pádua, foi até a delegacia consolá-lo no momento em que ele descobriu a morte. Na época ninguém estranhou porque Guilherme e Daniella chegaram a contracenar na novela "De Corpo e Alma", da Globo.

Raul Gazolla e Daniella Perez
Raul Gazolla e Daniella Perez

Arquivo

2. No enterro, Gloria Perez, mãe da atriz e autora da novela, já estava ciente que Guilherme de Pádua tinha algo a ver com o assassinato de sua filha. Ela já havia sido orientada pelo delegado de que se Guilherme escapasse do flagrante, ele não poderia ser preso, e precisou manter toda a calma e compostura quando ele quis comparecer ao enterro. Gloria chegou a passar o telefone do criminoso para uma produtora convidá-lo para o velório.

Gloria Perez no enterro de Daniella Perez
Gloria Perez no enterro de Daniella Perez

Arquivo

3. Duas semanas antes do assassinato, Guilherme e sua esposa Paula fizeram tatuagens com seus nomes em suas regiões íntimas. No decorrer do caso, especulou-se sobre o envolvimento deles com rituais macabros. Daniella teve um pedaço do cabelo cortado, levaram sua aliança e era a última noite de lua cheia. Detalhe: o crime ocorreu no dia em que os personagens romperiam o namoro na novela.

4. A polícia tentou sabotar o caso. Paula Thomaz, esposa de Guilherme de Pádua, só foi investigada por pressão da imprensa. Houve uma tentativa de encerrar tudo rapidamente, sem detalhar o crime. Até hoje não se sabe onde foi parar a bolsa de Daniella, que tinha bilhetes do assassino e também seis mil dólares dentro. Fãs que a encontraram pouco antes do crime para uma foto, testemunharam que ela estava com a bolsa.

A última foto de Daniella Perez
A última foto de Daniella Perez

Arquivo

5. O machismo no caso também é abordado durante os episódios. Por incrível que pareça, contra todas as evidências, teve quem tentasse culpar Daniella e até mesmo inventar boatos sobre sua relação com o assassino, que, segundo testemunhas, perseguia a atriz há tempos e forçava situações para crescer na novela como seu par romântico. Revistas da época chegaram a usar fotos românticas dos personagens.

Guilherme de Pádua e Daniella Perez
Guilherme de Pádua e Daniella Perez

6. A série documental conta com depoimentos de personalidades que eram amigos de Gloria e Daniella como Raul Gazolla, Fábio Assunção, Claudia Raia, Alexandre Frota, Cristiana Oliveira, Eri Johnson, Marieta Severo e Roberto Carlos. O cantor fala sobre a atriz porque foi em seu especial de fim de ano que ela fez sua última aparição na TV, como a Maria, mãe de Jesus. 

Eri Johnson
Eri Johnson

Divulgação/HBO Max

7. Para se ter uma ideia de como o país parou por causa do crime, o caso ofuscou a renúncia do então presidente Fernando Collor, em 29 de dezembro, na manhã seguinte ao ocorrido, para evitar um impeachment. Nos jornais e na TV, as manchetes destacavam a morte da atriz, mais do que a mudança de rumo no comando do país.

Divulgação/HBO Max

8. O Cemitério São João Batista, localizado no Rio de Janeiro, ficou lotado no dia do funeral de Daniella. Atores chegavam a ser tietados por espectadores da novela. Foi lá que Raul Gazolla descobriu que Guilherme de Pádua era o assassino de sua esposa. Passado o enterro, houve várias tentativas de abrir o túmulo de Daniella.

9. A atuação de Gloria Perez foi fundamental para a resolução do caso e preservar a memória de Daniella. Junto com amigos, ela descobriu detalhes que a polícia não havia levantado, vetou a publicação de um livro escrito pelo assassino e conseguiu a alterar da legislação brasileira. Com um abaixo assinado de mais de 1,3 milhão de assinaturas, homicídio qualificado passou enquadrado como crime hediondo.

Daniella Perez e Gloria Perez
Daniella Perez e Gloria Perez

Arquivo

10. Depois de libertada, Paula Thomaz voltou a morar na casa dos pais e começou a cursar faculdade de direito. A escolha foi a dedo: ela foi ter aula com o promotor que a condenou. Guilherme de Pádua se tornou pastor. Gloria Perez seguiu sua busca por Justiça por anos. Atualmente, escreve uma novela para a Globo. A autora topou participar da série para contar a história exatamente como ela ocorreu, sem ruídos ou especulações.

Gloria Perez
Gloria Perez

Divulgação/HBO Max

"Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez" será disponibilizado pela HBO Max a partir de 21 de julho.

Para assinar a HBO Max é só clicar aqui.

Veja também